Cristianne Fridman fala sobre volta à Record: "Escreveria novela bíblica"

Autora reestreia na emissora como colaboradora, o que para ela não é demérito algum

Fotos: Divulgação

Publicado em 01/09/2016 às 12:49:57

Por: João Gabriel Batista

Autora de grandes sucessos na dramaturgia da Record, como "Chamas da Vida" e "Vidas em Jogo", Cristianne Fridman está de volta ao canal após aproximadamente um ano afastada. Seu contrato se encerrou na metade de 2015, pouco depois do término de "Vitória", e não foi renovado, mas um novo chamado da emissora possibilitou sua volta.

Nesta nova empreitada, Cristianne Fridman encontra uma Record diferente da qual deixou - mesmo com apenas um ano de intervalo entre as duas passagens. As novelas próprias cederam espaço às terceirizadas; as tramas repletas de ação e perseguição deram lugar às bíblicas e seu próprio posto é outro: em vez de autora principal, seu primeiro trabalho será como colaboradora em "O Rico e o Lázaro", que substituirá "A Terra Prometida". Tal fato não a incomoda: "Uma bobagem".

Embora nem mesmo o nome RecNov, da sua época, não exista mais, Fridman retorna com uma dramaturgia mais fortalecida. "Vitória", que antecedeu "Os Dez Mandamentos", rendia entre 5 e 6 pontos na difícil concorrência direta com a novela das nove da Globo. As bíblicas se fortaleceram às 20h30 e chegaram a impor derrotas fortes à concorrente, que teve capítulos de "A Regra do Jogo" amargando a vice-liderança.

Até mesmo a tão sonhada faixa de reprises foi lançada nas tardes e em dose dupla por dois motivos: são duas tramas no ar e no segundo horário, Fridman emplacou "Chamas da Vida" e agora terá "Vidas em Jogo" reprisada na sequência.

O NaTelinha conversou com a roteirista, que falou mais sobre sua percepção da volta à Record, seu hiato na TV e novos projetos. Confira:

NaTelinha - Apesar de ter passado um ano fora da Record, foi neste período que a emissora se reergueu na dramaturgia, com as novelas bíblicas, e que mudou completamente seu modelo de negócio - passando a terceirizar a produção de seus folhetins. Como você enxerga esse momento?

Cristianne Fridman -
Feliz por mim e todos os profissionais que continuam a contar com mais um mercado de trabalho. Ver a continuidade da teledramaturgia na Record é um motivo de comemoração, não somente para todos aqueles que lutaram por isto, como também por todos os profissionais que estão se adaptando às mudanças do mercado televisivo brasileiro.

NaTelinha - A Record que você deixou apostava em tramas de ação e, salvo "Vitória" e "Pecado Mortal", tinha seu horário de novelas às 22h. Agora, o carro-chefe são as bíblicas e às 20h30. Que paralelo faz entre a Record que deixou e a Record que está de volta?

Cristianne Fridman -
A Record, a Globo, o SBT se adequam às mudanças. Vejo isso de uma maneira bem natural. O tempo passa e muda, risos! As novelas bíblicas têm apresentado resultados espetaculares! A Record enxergou que havia público para elas e apostou neste nicho. Acertou em cheio!

NaTelinha - Mesmo no primeiro período em que você estava na Record, a emissora já apostava em tramas bíblicas, mas com menos intensidade. Você escreveria um folhetim bíblico? Será essa a temática da sua nova novela solo?

Cristianne Fridman -
Estou colaborando em uma novela bíblica, "O Rico e o Lázaro". Estou aprendendo sobre este universo e, no futuro, posso, sim, vir a escrever uma novela bíblica.

NaTelinha - Você estará no time de roteiristas de "O Rico e o Lázaro", de Paula Richard, que foi sua colaboradora em "Chamas da Vida". Qual será seu papel nesta produção? Como é voltar a trabalhar tanto com Paula quanto com Edgard Miranda, que assinará a direção e que foi seu diretor em "Vitória" e "Chamas da Vida"?

Cristianne Fridman -
Meu papel é de colaboradora. Sou muito grata a Paula pela oportunidade que me deu e já estou aprendendo muito com ela. Paula já vem com alguns trabalhos neste universo, inclusive um solo, e é uma profissional pela qual sempre tive enorme admiração. Na função de colaboradora não tenho contato com o Edgard, mas mantenho respeito pelo profissional que ele é e fico feliz dele e da Paula iniciarem uma parceria. Talento combina com talento!

NaTelinha - Enxerga como algum demérito ter voltado em uma trama que não seja sua?

Cristianne Fridman -
Não, mas tenho ouvido direta e indiretamente julgamentos negativos quanto a isso. Uma bobagem...

NaTelinha -  Em 2014, quando conversamos sobre "Vitória", você disse ter vontade de escrever um seriado - que é uma seara que a Record investe há algum tempo, que a Globo passou a investir com mais intensidade e que o SBT entrou recentemente. Este sonho se mantém? Existem projetos para isso?

Cristianne Fridman -
Amo seriados e tenho, sim, enorme vontade de escrever um projeto, mas no momento estou inteiramente dedicada à novela da Paula Richard.

NaTelinha - Você chegou a conversar com outras emissoras no Brasil, como a Globo, SBT, ou produtoras de séries fechadas?

Cristianne Fridman -
Estas emissoras estão enxugando seus quadros, o mercado mudou e não tive um diálogo com nenhuma delas não.

NaTelinha - Ao longo de um ano afastada, você esteve muito perto de escrever uma novela em Portugal. O que deu errado? Até que ponto dessa história você chegou?

Cristianne Fridman -
Meu contrato com Portugal era a entrega de uma sinopse de novela. Envolvia decisões pessoais e profissionais. Não deu errado, só não evoluiu por questões pessoais.

NaTelinha - Antes das novelas bíblicas, você protagonizou o auge da dramaturgia da Record ao lado de autores como Tiago Santiago, Gisele Joras e Lauro César Muniz - hoje, nenhum deles mais na emissora. Por outro lado, despontaram nomes como Gustavo Reiz, Vivian de Oliveira, Renato Modesto e Paula Richard. Como enxerga esses novos talentos que vêm dando fôlego à dramaturgia do canal?

Cristianne Fridman -
Conheço de perto o trabalho da Paula Richard e, como disse acima, é uma profissional de um talento maravilhoso! Gustavo, Vivian e Modesto vêm apresentando trabalhos com resultados bem positivos. É bom ter mais autores porque aumenta o rodízio, dá mais tempo para se trabalhar/pensar novas histórias e é uma turma que "não vai deixar a peteca cair"!

NaTelinha - Como vê esse novo horário de reprises da Record, que foi tão batalhado por nomes da dramaturgia do canal durante vários anos e o bom desempenho de "Chamas da Vida" nas tardes?

Cristianne Fridman -
Fico feliz! É bom quando você realiza um trabalho e ele gera bons frutos. Quanto mais espaço para a teledramaturgia melhor! É minha praia, risos!

NaTelinha - Mesmo não aparecendo nas telinhas, você tem fãs que sentem falta das suas tramas pela agilidade, reviravoltas e densidade - e isso desde "Bicho do Mato", em 2006. Que mensagem você tem para passar para eles com este novo momento em sua carreira?

Cristianne Fridman - F
iquem de olho em  "O Rico e o Lázaro"! A novela está ágil, divertida, com poesia também, um show, vocês vão amar!



COMENTÁRIOS