Série japonesa

Cineasta vê Jaspion na Band para produzir filme sobre herói: "Ele será brasileiro"

Rodrigo Bernardo dirige longa-metragem estrelado por ícone dos anos 80


Jaspion
Jaspion, herói de série japonesa exibida pela Band

Herói símbolo dos anos 80, Jaspion voltou ao ar na Band após ter feito sucesso na extinta Manchete e virado boneco, disco e outras bugigangas colecionáveis. Mais de 30 anos depois, a série japonesa ganhará filme rodado no Brasil e dirigido por um fã, o cineasta Rodrigo Bernardo.

O coronavírus, porém, forçou a extensão do prazo para o lançamento do longa-metragem, que está na fase de elaboração de roteiro. Anunciado pela primeira vez em 2018 e divulgado com muita expectativa na CCXP (Comic Con Experience) em 2019, o filme do Jaspion deverá estrear apenas em 2022.

"Até o final do ano que vem é um prazo possível, para lançá-lo no primeiro trimestre de 2022. Nem considero um atraso. Queríamos ter o roteiro pronto para agosto e setembro, mas achamos dezembro melhor. Traduziremos todo o material para inglês e japonês para mandar para a Toei. Eles têm sido incríveis desde o começo", conta Bernardo em entrevista ao NaTelinha.

A Toei Company, produtora original de Jaspion, é parceira no projeto brasileiro, capitaneado por Nelson Sato, presidente da empresa de audiovisual Sato Company e sogro do cineasta (ele namora a atriz Jacqueline Sato). O executivo comprou Jaspion, Jiraiya e Changeman, três séries japonesas bem-sucedidas na TV brasileira e negociou a exibição com a Band.

A retomada na televisão entusiasmou Rodrigo Bernardo, que assiste à série para relembrar a infância, analisar a história e adaptá-la para o cinema: "A série é a matéria-prima do filme. Já vi para escrever o argumento, mas no domingo assisti pela diversão. Trabalho vendo Jaspion e passo a folga vendo Jaspion”.

Queremos muito que seja um programa para a família, tanto para o pai quanto para o filho que assiste hoje na Band.

Rodrigo Bernardo, cineasta

Jaspion será brasileiro no cinema, diz diretor de filme
O executivo Nelson Sato e o cineasta Rodrigo Bernardo (Foto: Reprodução/iEmmys)

Jaspion brasileiro

Rodrigo Bernardo conquistou a confiança de Nelson Sato e da Toei pelo currículo recheado. Membro da Academia Internacional do Emmy, ele dirigiu a comédia romântica Talvez Uma História de Amor (2018) e a série (Des)Encontros, exibida no canal Sony para a América Latina.

Segundo o cineasta, Nelson Sato está empolgado pelo projeto, mesmo com a crise econômica provocada pelo coronavírus, e deu carta branca para o genro criar uma história inédita do herói japonês. E é o que vai acontecer. No filme de Jaspion, ele será brasileiro.

"Eu garanto que ele é brasileiro, mas não tenho restrição a ser oriental. Temos tantas raças, etnias, somos tão diferentes e, ao mesmo tempo, únicos. Acho muito bacana ver o seu país representado. Nunca vimos um super-herói para valer em São Paulo. Tem que ter o bairro da Liberdade [de colônia japonesa]. Temos que passear pelos ícones da cidade. É mais um ponto para ser um programa de família", afirma.

"No fundo, também estou fazendo o filme para o Rodrigo de nove anos. Ou faço bem feito ou nem faço. Não vai ser 'mais ou menos'. Tudo bem demorar mais. Temos que fazer com muito capricho. Não somos o Batman, que faz vários reboots até acertar (risos)", finaliza.

TAGS:
Mais Notícias