Exclusivo

Rita Guedes precisou vender imóvel para ficar fora da TV: "Investimento"

Ao NaTelinha, Rita Guedes relembra tempo fora e fala sobre Arcanjo Renegado

Rita Guedes precisou vender imóvel para ficar fora da TV:
Rita Guedes integra o elenco da série Arcanjo Renegado - Reprodução/Instagram

Publicado em 14/02/2020 às 05:57:19

Por: Ana Cora Lima

Rita Guedes está de volta. Depois de 10 anos morando em Los Angeles, nos Estados Unidos, a atriz ri e assume que está numa fase de abraçar todas as oportunidades que possam surgir pelo caminho.

Em cartaz com a peça Uma Relação tão Delicada no Rio de Janeiro, onde atua e assina a produção do espetáculo, ela também faz parte do elenco da série badalada Arcanjo Renegado, que estreou recentemente no Globoplay, e não nega que espera convites para fazer novelas. Bem-humorada, Rita conta que foi chamada de "louca" pelos amigos mais próximos e até pela própria família quando decidiu largar tudo para morar fora.

“Ninguém entendeu nada porque eu tinha uma carreira sólida e posso até dizer que estava no auge mesmo após uma personagem querida na novela Eterna Magia (2007) e também tinha acabado de posar para a Playboy. Todo mundo me chamava de louca, mas eu sempre tive um desejo de estudar fora e na minha cabeça aquele era o momento para dar uma descansada na imagem e evoluir como pessoa”, relembra.

Rita partiu com a intenção de ficar no máximo dois anos aperfeiçoando o inglês e fazer alguns cursos na área de interpretação. Lá, ela se interessou também por roteiro e direção e os anos foram passando. A atriz teve que vender um imóvel no Rio para bancar a longa temporada. "Somos todos trabalhadores e eu tive que me desfazer de um patrimônio. Foi investimento grande que eu fiz na minha vida porque que queria me aperfeiçoar e olhar mais para frente na carreira. De vez em quando, eu também vinha fazer alguns trabalhos aqui e investia esses ganhos para poder gastar nos Estados Unidos", lembra a atriz, que quando foi para Los Angeles ainda era contratada da Globo.

"Fiquei dois anos ainda com contrato morando fora. Eu recebia e todas as vezes que me chamavam, eu voltava. Nunca disse um não e a direção da emissora sabia que eu estava lá para estudar e não me escalava para as produções longas, mas me chamavam para as participações. Foi assim que eu fiz nesse período Flor do Caribe (2013) e Avenida Brasil (2012) e depois, o vínculo acabou e quando era chamada, eu dava um jeito e vinha trabalhar”, conta.

Rita Guedes valoriza o interior

Aos 48 anos, ela assume que adora receber elogios por sua aparência. Admite ter uma boa genética, mas não esconde os cuidados alimentares. Rita não come frituras, enlatados, doces e refrigerantes. “A minha comida é mais natural e eu até tentei não comer mais carne, mas não consegui. Sabe uma coisa que eu também acho importante?  É o interior da pessoa. Eu acho que tudo que está dentro de você acaba passando para a sua pele e vai para os poros como a felicidade e satisfação. Isso influencia nessa coisa de você estar bem fisicamente. Eu acredito.”

Sobre Arcanjo Renegado, Rita conta que recebeu um convite do próprio José Júnior, idealizador do projeto, e já nas primeiras leituras se interessou pela personagem Manuela Berenguer, uma advogada que ganhou notoriedade defendendo causas tributárias contra o Estado e, ao se eleger deputada, já em seu segundo mandato, ocupa a cadeira de Presidente da Alerj. “Ela é muito forte, decidida e pragmática. Enfrenta os adversários com muita destreza, é extremamente inteligente e sabe fazer o jogo político como ninguém. Mas ela não faz o jogo sujo, é uma política honesta. O problema é que ela tem um filho com envolvimento com drogas e os inimigos a atacam nesse ponto fraco”, conta Rita que entregou a segunda temporada. “Nos próximos meses gravamos mais alguns episódios”.

Ela também falou sobre a peça Uma Relação tão Delicada, em cartaz no Teatro Vanucci, no Shopping da Gávea. Em cena, a atriz surpreende ao viver una personagem dos 27 aos 92 anos. “Essa peça é um sonho. Assisti quando eu tinha uns 17 anos e me marcou muito. Sempre tive o desejo de montá-la e tentei algumas vezes no decorrer da minha carreira, só que a autora (Loleh Bellon ) ainda era viva e não autorizou. Disse que eu teria que ter no mínimo 40 anos e como hoje eu já passei dos 40, decidi montar. Comprei esses direitos e fiz a adaptação, a minha primeira adaptação. Divido o palco com a Letícia Isnard e a direção é do Ary Coslov. Estou muito feliz”, assume.




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!