Desabafo

Zezé de Avenida Brasil, Cacau Protásio revela depressão e faz desabafo

A atriz revela luta contra doença

Zezé de Avenida Brasil, Cacau Protásio revela depressão e faz desabafo
Cacau Protásio é Zezé em "Avenida Brasil" - Foto: Reprodução

Publicado em 09/10/2019 às 15:38:33 ,
atualizado em 09/10/2019 às 15:42:28

Por: Redação NT

A reprise da novela Avenida Brasil entrou no ar na Globo e uma das suas personagens mais marcantes é Zezé, interpretada por Cacau Protásio, que revelou nesta quarta-feira (09) que enfrentou depressão

Por meio de seu perfil do Instagram, ela surpreendeu seus seguidores com a informação, revelando o quanto é difícil passar por isso. “Eu pensei que essa tal da depressão nunca fosse chegar aqui, pois é, ela chegou, mas já foi! Ela não escolhe em quem vai chegar, só chega, que coisa horrível, eu não desejo para ninguém!”, começou.

Ela comentou também que a doença fez com que ela pensasse em sumir e que mesmo já ajudando muitas pessoas, ficou sem saber o que fazer. “Quem me segue reparou que eu parei de postar, fazer vídeos, eu só queria desaparecer, ficar quieta, eu sempre ouvi falar, sempre ajudei quem eu podia, mas quando chegou aqui eu não sabia o que fazer”, explicou.

Continuando o desabafo, ela contou quando percebeu quando tudo começou e que não estava bem. “Começou assim: eu cheguei no ‘Vai que Cola’ não querendo ficar, era um choro compulsivo sem motivo, uma tristeza enorme, um vazio no peito que até agora eu não sei explicar”, destacou.

Cacau Protásio revela apoio e ajuda que teve durante depressão

Mesmo se sentindo perdida, a atriz destacou que recebeu apoio e foi compreendida por amigos e colegas de trabalho. “Todos os meus amigos e diretores na hora me abraçaram, e me entenderam, me mandaram de volta para casa, nesse momento eu já não conseguia mais dirigir, tive que ser trazida para casa”, lamentou. “Isso é o primordial e graças a Deus. Meus amigos do grupo Vamos Falar de Deus, vieram aqui orar, rezar, pedir por mim, foi um domingo lindo, meus amigos do Vai que Cola, era só amor”, continuou.

Ela também comentou sobre o preconceito que ela sentia em relação aos remédios, e frisou que o apoio da família foi bem importante. “Eu sempre tive preconceito com remédios, mas nesse caso fui obrigada a usar para sair da crise horrível, eu estou me tratando com uma homeopata maravilhoso, e uma terapeuta nota mil, mais o mais importante é a apoio da família”, adiantou ela, também agradecendo a um grupo de apoio religioso que teve um papel importante em sua recuperação.“Isso é o primordial e graças a Deus. Meus amigos do grupo Vamos Falar de Deus, vieram aqui orar, rezar, pedir por mim, foi um domingo lindo, meus amigos do Vai que Cola, era só amor”, continuou.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!