2001

Negociador do sequestro de Silvio Santos diz que ele não queria sangue e morte em sua casa

Silvio Santos foi sequestrado dois dias depois de Patrícia Abravanel em 2001

 Negociador do sequestro de Silvio Santos diz que ele não queria sangue e morte em sua casa
Comandante Diógenes Lucca e Elcio Coronato relembram sequestro de Silvio Santos em 2001 - Reprodução/YouTube

Thiago Forato

Publicado em 10/05/2019 às 11:36:55

O ano de 2001 foi um dos mais marcantes para Silvio Santos. Além de ver sua filha Patrícia sofrer um sequestro e dois dias depois passar pela mesma situação, o animador foi tema de escola de samba e alcançou 50 pontos no Ibope com a primeira edição da "Casa dos Artistas". Sofrimento e felicidade.

continua depois da publicidade

O Comandante Diógenes Lucca, fundador do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais), foi entrevistado por Elcio Coronato no YouTube, e relembrou o sequestro.

O fato, que foi um dos principais acontecimentos da época, teve a quantia de R$ 500 mil paga por Silvio Santos como resgate para ter a filha de volta. Só que o sequestrador fugiu e dois dias depois apareceu na mansão do apresentador.

O comandante contou que foi chamado na casa para negociar com Fernando Dutra Pinto. Assim que chegou, se deparou com a sala cheia de policias e autoridades, numa clima de "festa da firma".

continua depois da publicidade

"Eu chamei uma autoridade que estava lá e pedi para limpar o local, porque tinha muita gente", disse ele ao canal pertencente à rede Snack.

Diógenes disse que Silvio Santos exigiu que trouxessem o secretário de segurança para que Fernando pudesse se entregar. "O secretário não é polícia, ele é chefe, mas não é polícia, assim como o governador. Então, por técnica, eu não poderia deixar vir uma autoridade do executivo lá", relembra.

continua depois da publicidade

O então governador, Geraldo Alckmin, teve o papel de intermediar com Silvio a rendição do bandido: "Foi engraçadíssima essa hora, ele estava tão ‘estocolmizado’ (da síndrome de estocolmo) que quando abriu a porta e os caras foram dar a calça pra ele, preocupados em ele (Silvio) sair de cueca, ele ignorou a peça de roupa, foi saindo e abraçando o governador de cueca mesmo".

"Eu tenho comigo que o Silvio não queria que nada de mal acontecesse com o Fernando, apesar de ele ter sido o autor do sequestro de sua filha e tê-lo mantido como refém. Ele não queria ver sangue e nem uma morte na casa dele", afirmou.

continua depois da publicidade

Confira a entrevista completa: