Reportar erro
Estreia

O “Apocalipse” da Record TV é mórbido e sombrio

Estreia já mostrou que a aposta da emissora é diferente das outras tramas bíblicas

apocalipse-1_6dfe7f6aac8cfc39f8a2a4ceeb4b94d37153a14c.jpeg
Sombra "demoníaca" envolve o casal Adriano e Débora (Reprodução/RecordTV)
Redação NT

Publicado em 22/11/2017 às 07:00:00

Iniciado com muita expectativa na noite dessa terça-feira (21), o primeiro capítulo de “Apocalipse”, nova aposta da Record TV, trouxe um clima angustiante, mórbido e sombrio para as telas. A estreia já deixou mais do que claro ao público: não é uma novela bíblica como as antecessoras. A pegada aqui é outra. A mão pesada, já experimentada de forma pontual em “O Rico e Lázaro”, se torna ainda mais intensa na nova produção da casa.

A primeira cena já mostrou o clima angustiante que deverá permear a obra, com o tsunami que vitimou os pais de Alan (Maurício Pitanga) e Uri (Phelipe Gomes).

Depois, veio a trama policial que envolve os agentes Luís (Marcelo Argenta) e Guido (Cleiton Morais), abusando da fotografia sombria e de planos claustrofóbicos. Por fim, a presença do “demônio” em diversos momentos, como nas narrações paralelas ou como o vulto que envolve o casal Débora (Manuela do Monte) e Adriano (Felipe Cunha).

O “Apocalipse” da Record TV é mórbido e sombrio

Aparentemente, é a primeira vez que a emissora aposta numa trama pesada, de fato. Claro que houve outras experiências com histórias fortes, como “Vidas Opostas” (2006), “Chamas da Vida” (2008) e “Pecado Mortal” (2013), mas elas tinham uma aura menos agressiva, bem como a presença de alívios cômicos. Coisa que “Apocalipse” optou por não ter.

Em “O Rico e Lázaro”, encerrada na segunda (20), houve diversos momentos com cenas violentas e angustiantes, mas tinha junto o atenuante da retratação de “outros tempos”.

A história bíblica original, por si só, já é forte. Adaptada para os dias atuais, aliada à direção e fotografia, agravam ainda mais o aspecto mórbido. Curiosamente, outras duas novelas em exibição apostam nessa pegada angustiante: “O Outro Lado do Paraíso” (Globo, 21h) e “Tempo de Amar” (Globo, 18h). Ambas também estão passando por um processo de suavização.

Resta saber se o público da Record TV irá comprar a novidade.