Reportar erro
SBT Brasil

Sheherazade ironiza extremistas contra aborto de criança estuprada: "Não os vi na delegacia"

Em fim de contrato com o SBT, apresentadora desobedeceu Silvio Santos e emitiu opinião

Rachel Sheherazade no SBT Brasil desta terça-feira
Rachel Sheherazade no SBT Brasil desta terça-feira (Foto: Reprodução/SBT)
Paulo Pacheco

Publicado em 18/08/2020 às 21:25:41

Rachel Sheherazade se posicionou contra extremistas que protestaram contra o aborto de uma criança de 10 anos estuprada pelo tio. No SBT Brasil desta terça-feira (18), a apresentadora ironizou a manifestação ao noticiar a prisão do autor do crime.

"Curioso é que não vi nenhum defensor da vida protestando na frente da delegacia, né?", disse Rachel Sheherazade ao colega de bancada, Marcelo Torres.

A jornalista foi proibida por Silvio Santos de emitir opiniões no SBT, mas tem desobedecido com frequência a punição do dono da emissora.

Recentemente, Rachel se posicionou contra ações policiais que mataram o segurança George Floyd, nos Estados Unidos, e o menino João Pedro, no Rio de Janeiro. Ela também aplaudiu a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, após a magistrada falar sobre "igualdade" entre homens e mulheres ao presidente da Casa, Dias Toffoli.

O SBT tem contrato com Sheherazade até setembro e não deve renovar com a jornalista. O NaTelinha apurou que a emissora negocia um forte nome do mercado para assumir a bancada do SBT Brasil. Uma jornalista com trajetória marcante na Globo virou alvo de emissários do canal.

Punições

Sheherazade já sofreu punições por descumprir a ordem do patrão.  Ela foi proibida de opinar em 2014, após endossar uma tortura praticada por "justiceiros" contra um adolescente suspeito de roubo.

"...E aos defensores dos Direitos Humanos que se apiedaram do marginalzinho preso ao poste, eu lanço uma campanha: faça um favor ao Brasil, adote um bandido!"disse Sheherazade na época. Alguns deputados interpretaram as palavras da jornalista como apologia ao crime.

Em agosto de 2019, Sheherazade se referiu a carcereiros como “monstros”, sobre um massacre ocorrido no presídio de Altamira, no interior do Pará. Representantes do Sifuspesp (Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo) exigiram do SBT uma retratação da âncora.

Após toda a polêmica, e sofrendo pressões externas por criticar o presidente Jair Bolsonaro, Silvio afastou Rachel da bancada do SBT Brasil às sextas-feiras, como forma de punição, e promoveu um rodízio de apresentadoras no dia. No ápice do estresse, a jornalista comunicou que se afastaria das redes sociais, mas antes gravou um vídeo sobre o imbróglio.

"Na verdade eu recebi uma determinação da empresa, na semana passada, eu também fui pega de surpresa, de que eu estaria afastada ás sextas-feiras por tempo indeterminado. Portanto, eu não tenho como precisar quando voltarei, ou si voltarei, apresentar o SBT Brasil nas sextas-feiras, excepcionalmente. Quero dizer a vocês que meu contrato segue com a emissora. Eu continuo contratada do SBT. Eu tenho um contrato que segue até setembro de 2020. Portando mais um ano de contrato. Contrato que eu pretendo seguir, que pretendo cumprir, com o sempre cumpri, meu contratos em quase 20 anos", explicou a jornalista.

A âncora retornou às redes sociais cerca de dois meses depois, no dia 16 de outubro, diferentes de antes, sem críticas diretas ao presidente.

Mais Notícias