Exclusivo

Éramos Seis empaca no Ibope e vira motivo de chacota entre autores da Globo

Trama era a principal aposta do diretor de dramaturgia da Globo, Silvio de Abreu, para alavancar horário das 18h

Éramos Seis empaca no Ibope e vira motivo de chacota entre autores da Globo
Divulgação/Globo

Publicado em 22/11/2019 às 05:50:48 ,
atualizado em 22/11/2019 às 08:58:32

Por: Sandro Nascimento

A dificuldade de Silvio de Abreu, diretor de teledramaturgia da Globo, de conseguir decolar o Ibope das 18h com Éramos Seis, seu projeto pessoal, vem sendo motivo de chacota entre autores veteranos. Apelidada de "a novela do chefe", a história é um remake da versão levada ao ar pelo SBT em 1994, que foi escrita pelo executivo ao lado de Rubens Ewald Filho. Na Globo, o folhetim é adaptado pela novata Ângela Chaves.

Éramos Seis era uma das grandes apostas do canal para elevar a audiência na faixa das 18h em 2019. Porém, de acordo com dados da Kantar Ibope da Grande São Paulo, até a sétima semana de exibição, a trama alcançou média de 20,8 pontos de audiência. Números considerados medianos para o horário e muito distante das expectativas.

As mudanças provocadas na passagem de tempo ocorrida na história, no início de novembro, quando se avançou 10 anos, não foi o suficiente para decolar Éramos Seis, ao contrário do que acreditavam. Na primeira semana da nova fase, a novela alcançou 20,1 pontos, a pior média desde estreia.

O NaTelinha apurou que existia um entusiasmo de que a trajetória da família de Júlio (Antonio Calloni) e Lola (Gloria Pires), originalmente baseada no livro homônimo de Maria José Dupré, repetisse os números conquistados por Êta Mundo Bom (2016). A novela escrita por Walcyr Carrasco marcou média de 27 pontos e o título de maior audiência do horário das 18h dos últimos 12 anos.

Piadas e comentários sobre Éramos Seis

Nos bastidores da Globo, entre os autores veteranos, o baixo Ibope de Éramos Seis vem sendo motivo de comentários e piadas. Dentre elas, se referem à trama como a "novela do chefe" e ironizam a lentidão de Silvio de Abreu de implantar mudanças para melhorar a audiência, como ele ordena nas produções de outros escritores.

Exercendo o cargo de diretor de teledramaturgia, é comum Silvio de Abreu reescrever cenas, mudar perfil de personagens, incluir núcleos e trocar desfechos quando um folhetim da Globo empaca no Ibope, assim como Éramos Seis.

A gestão de Silvio de Abreu, no cargo desde 2014, vem recebendo severas críticas de uma boa parcela de escritores globais, principalmente os veteranos. A maior reclamação é que exista uma "panelinha" (grupos de pessoas da preferência do diretor), que estariam desfrutando de privilégios sobre decisões relacionadas a produção e aprovação das sinopses entregues. Outra crítica é a pasteurização das histórias levadas ao ar, onde Abreu não estaria respeitando as características individuais de cada autor.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!