Entrevista

Finalistas do "Batalha dos Confeiteiros" avaliam maior dificuldade do reality: o tempo

Iara Cavalcanti e Luiz Toledo são só elogios a Buddy Valastro; programa termina hoje

Fotos: Antonio Chahestian/Record TV

Publicado em 11/07/2018 às 06:01:59

Por: Fabrício Falcheti

No ar desde o dia 18 de abril, a segunda temporada do reality "Batalha dos Confeiteiros" chega ao fim nesta quarta-feira (11) na Record TV.

Estão na final a sergipana Iara Cavalcanti, 30, e o paulistano Luiz Toledo, 38. Um deles passará a trabalhar em uma das renomadas unidades da Carlo's Bakery, do confeiteiro e apresentador americano Buddy Valastro.

A decisão do programa seria ao vivo, porém, por incompatibilidade de agenda, Cake Boss não poderia vir ao Brasil nesta data e, por isso, ela foi gravada no dia 27 de junho. Dois finais foram feitos, para evitar vazamento do vencedor.

Em entrevista ao NaTelinha, Iara e Luiz analisaram suas performances na competição, contaram os bastidores e anteciparam um pouco de como será o último episódio.

Confira:

Como foi a reação inicial ao encontrar Buddy Valastro pela primeira vez? Você acompanha os programas dele na TV paga e na Record?

Iara Cavalcanti - Assustador e emocionante ao mesmo tempo. Além de ser um ídolo, estava prestes a passar por processo seletivo totalmente televisionado pra trabalhar em uma das unidades da Carlos Bakery, então estava bem nervosa, feliz e emocionada ao mesmo tempo. Acompanhei a primeira temporada da "Batalha dos Confeiteiros Brasil" pela Record, mas conheci o Buddy através do "Cake Boss", que assistia na casa de colegas que possuem TV à cabo.

Luiz Toledo - Nossa, fiquei emocionado! Sem palavras! Ver ali na minha frente um ícone mundial da confeitaria foi uma experiência única. Sempre acompanhei o Buddy, desde o começo de sua carreira pela TV. E ainda mais de perto quando ele veio para o Brasil e começou o seus programas na Record.

Ele passa essa imagem de bravo às vezes, mas na verdade ele é exigente conosco com o objetivo de nos fazer evoluir

Luiz Toledo, finalista

Quais foram as maiores dificuldades no reality show?

Iara Cavalcanti - O tempo estipulado para as provas realmente era muito curto... E ter que trabalhar com profissionais que você não está acostumado, não conhece e que buscam a mesma vaga que você.

Luiz Toledo - Sem dúvida o tempo é o maior de todos! Na vida real, a criação e execução dos bolos é um processo que pode levar dias, desde a concepção da ideia, construção das estruturas, esculturas, modelagens, massa e recheio do bolo propriamente dito, até a sua montagem e acabamento. No programa, temos que realizar todo esse processo em apenas algumas horas! Além de ter que trabalhar fora do nosso atelier, em uma cozinha na qual não temos intimidade com os utensílios e ferramentas, e com pessoas desconhecidas. E também o fato de ter o trabalho julgado em rede nacional, e ainda pelo Buddy Valastro!

Quais pratos você mais gostou de fazer no programa?

Iara Cavalcanti - Eu realmente não sou habituada a fazer sobremesas, porque trabalho com bolo e com decoração, então o desafio do confeiteiro que mais me senti “em casa” foi o de fazer bolo um bolo a partir de um doce, que foi o olho de sogra.

Luiz Toledo - Acho que o bolo de Palha Italiana. Era uma prova em que tínhamos que transformar um doce em bolo. Fiquei bem satisfeito com o resultado, tanto o sabor quanto a aparência. Esse bolo foi bastante elogiado pelo Buddy e pelo o convidado Sergio Loroza. Também teve a sobremesa de Zabaione de Iogurte com Abacaxi e Creme de Pistache, a primeira prova, no primeiro episódio. Só acho uma pena o Buddy não provado essa (risos).

Buddy Valastro conversava com vocês nos bastidores? Como era a relação? Tinham medo dele?

Iara Cavalcanti - Nossa relação era basicamente frente às câmeras, mas recebemos ele no camarim duas vezes e conversamos algumas vezes nos bastidores. Buddy sempre foi muito solícito e acessível. Em todas as oportunidades aproveitou pra nos motivar e aconselhar.

Luiz Toledo - Conversava sim. O Buddy era sempre acolhedor. Ele passa essa imagem de bravo às vezes, mas na verdade ele é exigente conosco com o objetivo de nos fazer evoluir no nosso trabalho e de superar os nossos limites.

E como foi a relação com os demais competidores? Criou amizade com alguém?

Iara Cavalcanti - Apesar de estarmos numa batalha, todos em busca no mesmo prêmio, sou feliz em ter me dado bem com todos os colegas e levo amizades verdadeiras dali para a vida.

Luiz Toledo - Nossa, acho que criei amizade com todos praticamente. Claro que com alguns um pouco mais pela afinidade e por tempo de convivência. Nosso grupo se tornou muito unido com o passar do tempo.

O que o público pode esperar da final?

Iara Cavalcanti - Muita emoção e lembranças de uma edição que foi linda e real: teve briga, teve choro, superação, riso, diversão, amizade... É uma final entre dois amigos que se querem bem e torcem um pelo outro.

Luiz Toledo - Acho que podem esperar por uma final emocionante com certeza! Eu e a Iara nos tornamos muito amigos durante o programa, nos estregamos de corpo e alma. E essa final será o ápice de toda essa trajetória que trilhamos juntos.

Trabalhar em uma unidade da Carlo's Bakery sempre foi um sonho?

Iara Cavalcanti - Desde a primeira temporada, junto ao anúncio que a primeira Carlos Bakery fora do EUA seria aberta em São Paulo, trabalhar ao lado do Cake Boss começou a ser uma meta, um sonho que eu queria muito realizar. Estar na final me coloca um pouco mais perto dessa realização. Tentei mostrar ao Buddy meu talento, garra e capacidade de liderança. Agora é esperar ele escolher quem vai entrar pra família!

Luiz Toledo - Com certeza. Acho que é o sonho de quase todo confeiteiro, trabalhar com o Cake Boss Buddy Valastro, em uma empresa do porte da Carlos Bakery e ao lado de um grande artista como Rick Zavala. Sem dúvida uma experiência única e enriquecedora.



publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!