Sucesso

A Escrava Isaura da Colômbia tem produção milionária, ganha o mundo e está na Netflix

La Esclava Blanca teve investimento de 9,4 milhões de dólares e conquistou os colombianos

 A Escrava Isaura da Colômbia tem produção milionária, ganha o mundo e está na Netflix
Elenco de La Esclava Blanca - Foto: Divulgação

Redação NT

Publicado em 07/04/2020 às 05:22:44

La Esclava Blanca (2016) é a novela mais cara da história da Colômbia e  tem muitas semelhanças com A Escrava Isaura, feita pela Globo em 1976 e que ganhou remake na Record em 2004. Com tamanho prestígio, o enredo ganhou prêmios, chamou atenção pelo seu apuro estético e está no catálogo da Netflix.

continua depois da publicidade

Produzida pelo canal Caracol Television, a história teve um investimento de 9,4 milhões de dólares. A diretora da trama, Liliana Bocanegra, contou aos jornalistas colombianos que ficou muito feliz em poder integrar o projeto, pois faria o público conhecer um momento histórico do país pouco explorado pela dramaturgia local.

Juliana Barrera, produtora executiva da produção, procurou novos atores para montar o elenco. “O básico do elenco era ter novos rostos para o nosso país, porque o que é realmente essencial é que as pessoas se viciem nos personagens e não no ator por trás, mais em um assunto tão delicado quanto a escravidão”, afirmou ela em entrevista ao site La Opinión de Almeria.

continua depois da publicidade

As gravações aconteceram na costa do Caribe colombiano e no centro do país para refletir a Colômbia do século XIX, período em que se desenrola o enredo. Santa Marta, Cartagena, Vale do Cauca, Bogotá, La Guajira e Medelín também foram palcos das filmagens, inclusive tendo cenas na fazenda que viveu Simón Bolívar em seus últimos dias de vida.

A direção optou por seguir um estilo mais próximo do cinema, fugindo de closes, usando drones, guindastes, planos abertos e muita movimentação dos atores em cena. Isso só aconteceu porque a novela contou com 62 capítulos, dando oportunidade para a produção ter maior cuidado com a questão técnica de cada cena.

continua depois da publicidade

Mas qual é a história de La Esclava Blanca?

Victoria Quintero era filha de Don Domingo e Elena Quintero, mas seus pais foram assassinados. Ela foi salva por Lorenza, sua babá negra e escrava, levando-a para viver ao lado do seu marido Tomás e sua filha Milagros.

Victoria cresceu e viveu com negros, mesmo sendo branca. Com costumes de escravos, apaixonou-se por Miguel, filho de Sara, uma escrava fugitiva. Mas a jovem sabia que não era daquele lugar e queria conhecer suas origens, indo para Santa Marta, local dominado por brancos.

continua depois da publicidade

Só que polícias acreditam que a menina foi sequestrada e matam vários negros, além de escravizar os sobreviventes. Victoria consegue escapar dos ataques e foge para Espanha, retornando para Colômbia rica, estudada e preparada para salvar o amor da sua vida e, principalmente, destruir o assassino dos seus pais.

“Apesar de jovem, Victoria é madura e determinada, tudo graças às injustiças pelas quais passou. Para realizar seus planos, ela terá que se passar por uma marquesa, e essa vida dupla custará sangue e lágrimas. O caminho não será fácil, mas ela possui as armas necessárias para superar obstáculos”, explicou Nerea Camacho, atriz que protagonizou a trama.

continua depois da publicidade

Semelhanças com A Escrava Isaura

A novela tem semelhanças com A Escrava Isaura. A primeira é o fato da protagonista ser uma escrava branca, já que a maioria dos escravo era negro. Outro ponto é a discussão histórica do sofrimento que os africanos sofreram nas mãos de fazendeiros na América do Sul.

Mais uma semelhança é o fato dos vilões das duas histórias serem homens cruéis e capazes de fazer de tudo para conquistar o que quer além, é claro, de tudo ocorrer no século XIX.

continua depois da publicidade

Análise

A novela estreou cercada de expectativa e não decepcionou os especialistas da Colômbia, principalmente porque apresentou algo diferente do que o público do país estava acostumado a acompanhar.

“É uma excelente oportunidade de encontrar novamente nosso ser afro que nos torna colombianos”, escreveu Omar Rincón, famoso crítico de televisão do jornal El Tiempodestaca. Ele também aponta que a história mostra como reflexos do passado ainda mantêm o preconceito vivo na sociedade atual.

continua depois da publicidade

O site Elpulzo parabenizou a emissora por apostar em atores negros, mesmo tendo protagonista branca. As fotos aéreas e os planos abertos são considerados os pontos altos da direção. “Muito louvável o trabalho da produção que conseguiu encontrar locais adequados que, graças a uma obra de arte milimétrica, nos transportam silenciosamente para cada época em que a série acontece”, disse o portal.

continua depois da publicidade

Uma das poucas críticas que o folhetim recebeu foi o excesso de luxo que os escravos receberam. Na visão do jornalista Rincon, era inverossímil um povo que tanto sofreu estar tão bem vestido na novela.

Prêmios

A produção venceu quase todos os prêmios da Colômbia e fez sucesso em uma premiação da Coreia do Sul, apesar de não ter levado nenhuma das estatuetas. A frustração ficou em torno do Emmy Internacional, pois acreditava-se que o enredo poderia ganhar uma indicação, o que não ocorreu.

continua depois da publicidade

Mesmo sem o principal troféu de televisão do mundo, o folhetim disputou o Soap Awards France, Premios India Catalina, Seoul International Drama Awards, além de ter sido uma das principais atrações do MIPTV de Cannes  - principal feira de televisão do planeta - em 2016.

Audiência

O enredo se manteve na liderança por várias semanas, tendo média de 10 pontos, além de ser a maior audiência do país, perdendo esse posto com a estreia do reality show A Otro Nível, também da Caracol Television.

continua depois da publicidade

Ambas as produções revezaram no topo de programa com mais público da televisão colombiana, mas na reta final La Esclava Blanca cresceu e ficou muito próxima dos 13,8 pontos, que representa uma média de mais de 11 milhões de telespectadores.

A repercussão nas ruas e redes sociais foram grandes e o público ficou chocado com o sofrimento dos escravos. Inclusive, ocorreram reclamações com a emissora por conta dos castigos que os escravos eram submetidos, que eram cheios de violência e muito sangue.

continua depois da publicidade

Um historiador foi convidado para participar de um programa da emissora, o Dougle Way, para explicar que a novela estava seguindo a risca o que ocorre uno século XIX da Colômbia.

“Realmente (esses castigos) ocorreram, os cílios, a marca que é o carimba, as mutilações Foi a imagem degradada que a sociedade escravista colonial construiu de africanos escravizados e seus descendentes”, relatou.

continua depois da publicidade

Exportação

A produção cinematográfica de La Esclava Blanca foi vendida para mais de 50 países em todo o planeta, passando por Costa Rica, Chile, Uruguai, Argentina, Porto Rico, México, Turquia, França, Venezuela e até mesmo o Brasil, onde passou no Fox Life antes de entrar no catálogo da Netflix.

Com muito prestígio entre o público latino e alguns países da Europa, a trama chegou aos Estados Unidos pelo canal Telemundo, sendo exibida por volta das 21h e tendo média por capítulo de 600 mil telespectadores, sofrendo algumas derrotas para as telenovelas da Universion.

continua depois da publicidade

Mais Notícias