Briga feia

Éramos Seis: Lola provoca briga entre os filhos e quase agride um deles

Acusado por roubo, Alfredo quase apanha da Lola quando se compara ao pai em Éramos Seis

Éramos Seis: Lola provoca briga entre os filhos e quase agride um deles
Lola provoca briga feia entre irmãos em Éramos Seis - Reprodução/TV Globo

Publicado em 14/01/2020 às 08:07:00

Por: Taty Bruzzi

Em Éramos Seis, Alfredo (Nicolas Prattes) acreditou que estava fazendo o certo ao aplicar um golpe em Osório (Nicola Siri), mas será desmascarado e acaba perdendo o emprego. O jovem ainda terá de encarar o julgamento de Carlos (Danilo Mesquita) e a decepção de Lola (Gloria Pires) que desaprova um filho ladrão.

Durante conversa com sua mãe, o namorado de Adelaide (Joana de Verona) tenta se defender alegando que seu maior desejo era dar uma vida melhor para a dona de casa, além de querer ganhar tão bem quanto o irmão mais velho.

A viúva de Júlio (Antonio Calloni) elogia o primogênito e alega que ele sim deve servir de exemplo para os demais. Revoltado, Alfredo diz que saiu ao seu pai e os dois acabam discutindo.

Lola ignora que o marido não era tão honesto quando aparentava e acaba escutando umas verdades do filho. Irritada, por pouco a doceira não lhe dá um tapa na cara. Confira o que vem por aí!

Carlos descobre que Alfredo roubou e faz irmão sangrar 

Nos próximos capítulos de Éramos Seis, Alfredo perde o emprego de mecânico na oficina de Osório e inventa uma desculpa para que sua família não saiba que ele andou roubando o patrão. subversivo diz que o ex-patrão decidiu contratar novos funcionários com salários mais baixos, mas Lola não acredita na versão do filho que vinha sendo elogiado no trabalho e até recebendo um pouco mais.

Então, a dona de casa recorre a Carlos para descobrir o que realmente está acontecendo. "É que estou com uma cisma de que Alfredo pode não ter contato a verdade. Será que ele andou faltando ao serviço? Ou, com esse gênio terrível, será que maltratou algum cliente?”, indaga a doceira.

Inicialmente, o namorado de Inês (Carol Macedo) afirma que não gostaria de se intrometer na vida do irmão problemático já que os dois nunca tiveram um bom relacionamento. Porém, ele acaba voltando atrás quando percebe que Lola está realmente angustiada. Assim, o jovem surge de surpresa na oficina e pergunta para Osório o que aconteceu.

“Vou lhe contar porque mandei seu irmão para rua e aí me diz se tenho ou não tenho razão de chamar ele de moleque, safado, bandido”, dispara o comerciante. Carlos sai de lá perplexo com o que descobriu e ao chegar em casa vai direto falar com o irmão que está se arrumando para sair. “Não tinha nada que ir lá, se meteu na minha vida!”, berra Alfredo.

“É minha obrigação, nossa mãe pediu, ela coitada, sabe bem o filho que tem! Sem vergonha, não tem vergonha na cara”, rebate Carlos. Os gritos chamam a atenção de Lola que vai até o quarto.

"Corre Lola… Pelo amor de Deus… Eles estão se matando…”, alerta Clotilde (Simone Spoladore). Quando chega na porta do cômodo, a cozinheira presencia os filhos socando um ao outro e se desespera. A dona de casa se mete entre elas e consegue puxar Carlos pelo braço enquanto ordena que os dois parem com isso. Entretanto, o irmão bonzinho não a obedece. Alfredo lhe dá um murro na cara e a briga continua.

Os dois só serão contidos por Julinho (André Luiz Frambach) que chega de repente. “Desgraçado… Vai me pagar este sangue aqui”, ameaça Alfredo. “Vamos descer e conversar feito gente, ninguém aqui é bicho. Quero ver, Carlos, se você se machucou muito. Não entendo essa briga…”, se desespera Lola.

O namorado da Adelaide tenta impedir o irmão de falar, mas falha e fica sem ação. “Tenho que falar. Eu fui à oficina e descobri por que o Alfredo foi mandado embora. Ele roubou. Alfredo é ladrão!”, acusa Carlos. A cena vai ao ar no capítulo do dia 18 de janeiro.

Alfredo se compara ao pai e quase é agredido por Lola 

Nos próximos capítulos de Éramos Seis, Carlos descobre que Alfredo perdeu o emprego após ser acusado de roubo e tira satisfações com o irmão. Os dois saem no tapa e Lola fica desapontada ao descobrir que tem um filho ladrão. Durante conversa com Clotilde, o rapaz abre o seu coração e alega que preferia morrer ao invés de dar desgosto para sua mãe, sensibilizando a tia. Mais tarde, será a própria Lola quem procura o filho.

A dona de casa leva um prato de ovos mexidos para ele comer. Sem graça, Alfredo questiona se a mãe acreditou em tudo o que Carlos lhe contou e ela afirma que sim. “Eu errei, está bem. Eu queria melhorar, tirar a senhora daquele fogão, comprar roupas bonitas… Ganhar mais, mais que o Carlos”, se defende.

“Eu sempre fui pobre e nem por isso fiquei com uma agulha que não fosse minha, Alfredo, isso não! Ah, meu Deus e ainda brigam assim. Dizem que toda família tem briga. Mas eu podia passar sem isso de hoje. Será que meus filhos não podem resolver os problemas em paz?”, lamenta Lola.

A dona de casa diz que o filho só esteve da oficina atendendo a um pedido seu. A viúva elogia o filho mais velho e acaba sendo questionada por Alfredo que a acusa de não enxergar suas qualidades.

“Eu também sou, mãe. Não vê? Nunca vê minhas qualidades! Eu errei, fiz errado, mas não sou ladrão. Me atropelo às vezes, erro. Mas bandido eu não sou", sinaliza. "Carlos não perde oportunidade de ser o maioral, não é amigo, é um dedo duro desgraçado”, esbraveja o mecânico.

Lola diz que Carlos é que está certo e acaba escutando de Alfredo que ele puxou o gene ruim do pais. A doceira reage alegando que seu marido sempre foi um homem honesto e acaba escutando umas verdades do filho rebelde. “Honesto? Honesto com quem? Com você não foi! Vai defender o seu Júlio Abílio de Lemos para mim? Sabe qual o seu problema, mãe? Está sempre passando o pano por cima das coisas", ataca.

"Esses ovos mexidos, esse jeito, não aguento. No fundo sempre apoiando o Carlos, mas tapando o sol com a peneira… Paz da casa. Que paz? Quando tivemos paz? Meu pai era mentiroso e desonesto, sim, dona Lola. E te enganava, gastava na rua, tinha uma amante, esqueceu?”, alfineta Alfredo.

"Alfredo, para!”, grita Lola. “Não paro. Sabe por quê? Sou ruim. Puxei a ele, puxei o seu Júlio. Ele é o diabo”, continua a falar. Lola levanta a mão para bater no filho, mas acaba desistindo. Na sequência, a dona de casa olha para o jovem já com os olhos marejados. Alfredo também fica com vontade de chorar, mas ao invés disso ele pega seu chapéu e sai de casa sem olhar para trás. A cena vai ao ar no dia 20 de janeiro.


Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!