Nova Janete Clair?

Como Walcyr Carrasco virou o jogo e se tornou o rei do Ibope na Globo

Autor se consagrou como o dono das melhores audiências dos anos de 2010

Como Walcyr Carrasco virou o jogo e se tornou o rei do Ibope na Globo
Walcyr Carrasco é o rei do Ibope da Globo nos anos de 2010. Foto: Divulgação

Publicado em 16/12/2019 às 06:17:21

Por: Daniel César

Os anos de 2010 estão chegando ao fim e se existe alguém dentro da teledramaturgia brasileira que pode comemorar, é Walcyr Carrasco. O novelista ganhou muita projeção nos últimos dez anos e se tornou o principal novelista da Globo, maior produtora do formato no mundo.

Se na década anterior Walcyr chegou à emissora carioca e se tornou o rei das 18h, na atual ele se firmou como o rei do Ibope em qualquer horário. Escrevendo todos os anos e batendo o recorde de Janete Clair, o autor acumulou sucessos quando o assunto é audiência e deu de ombros para as críticas.

Por conta disso, o NaTelinha preparou uma lista com as novelas de Walcyr nos anos de 2010 e relembra agora os fenômenos de audiência do autor.

Morde e Assopra (2011)

Um ano depois do fim de Caras e Bocas (que começou em 2009, por isso não aparece na lista), Walcyr Carrasco retornou ao horário das sete para fazer sua terceira trama para o horário. Com uma história que misturava robôs e dinossauros, o novelista manteve seu estilo pastelão e investiu pesado no melodrama com a história da sofredora Dulce (Cássia Kis).

Se as primeiras semanas do folhetim o resultado de audiência ficou aquém do desejado, o autor não se constrangeu em mudar tudo para atrair o público e conseguiu. A produção terminou com média de 29,99 pontos e ostenta a segunda melhor marca dos anos 2010 no horário, perdendo apenas para o fenômeno Cheias de charme (30,05).

Gabriela (2012)

O papa tudo Walcyr Carrasco não iria deixar de produzir para o horário das 23h. A recém inaugurada faixa tinha ido ao ar anteriormente apenas uma vez com O Astro (2011). No remake de Walter George Durst, o autor entrou no universo adulto e quase fugiu do seu tom de humor, embora tenha mantido muitos elementos que o consagraram.

Em termos de audiência, Gabriela não foi um fenômeno, embora tenha mantido índices satisfatórios para a Globo. Os números apontaram média geral de 18,91, ficando abaixo de O Astro (19,00).

Amor à Vida (2013)

A estreia de Walcyr Carrasco no horário mais nobre das novelas globais ocorria no ano seguinte. E ele chegava com a missão de recuperar a faixa que havia perdido muitos pontos com a rejeitada Salve Jorge, de Glória Perez. O autor apresentou uma trama considerada confusa pela crítica, mas que caiu no gosto popular com um vilão adorado pelos telespectadores, Félix (Mateus Solano).

A primeira novela de Walcyr na faixa das 21h não foi um fenômeno, mas cumpriu sua missão de estancar a queda de audiência do horário. Amor à Vida chegou ao fim com 35,51, elevando em quase dois pontos a média de Salve Jorge (33,97).

Verdades Secretas (2015)

Em 2015 chegou a consagração do novelista. Sua segunda produção no horário das 23h, Verdades Secretas, tinha tudo para chocar por conta do tema, o book rosa do sub mundo das modelos. Considerada por muitos a melhor novela da carreira de Walcyr, a trama é a última novela brasileira a vencer o Emmy Internacional.

E se Verdades Secretas deu prestígio a seu autor, ela também não decepcionou em termos de audiência. Com média de 19,81 pontos e uma repercussão poucas vezes vistas no horário da Globo, a novela foi o maior Ibope das 23h até então.

Eta Mundo Bom (2016)

Já como um dos principais nomes da Globo, Walcyr Carrasco surpreendeu quando decidiu retornar onde tudo começou, para o horário das 18h. Estreando no mês de janeiro e num horário considerado ingrato, o autor apostou em histórias que lembravam suas produções da década passada e que fizeram muito sucesso.

E não deu outra, Eta Mundo Bom foi um arrasa quarteirão e terminou com a melhor média geral do Ibope de uma novela das 18h em onze anos. Com 27,08 pontos, a novela superou 18 tramas da faixa e alcançou o melhor desempenho desde O Profeta (2007).

O Outro Lado do Paraíso (2017)

Quando o novelista parecia já ter conquistado todos os recordes possíveis, ele provou que era possível se reinventar quando o assunto é Ibope e estreou O Outro Lado do Paraíso, sua segunda imersão no horário das 21h e que mostrou uma história de vingança com muita maldade.

A produção surpreendeu em termos de audiência, pois iniciou em baixa, mas com a antecipação da volta da protagonista Clara (Bianca Bin), os números entraram no eixo e o folhetim terminou com incríveis 38,23 de média, a terceira melhor audiência da década, atrás apenas de Avenida Brasil e Fina Estampa.

A Dona do Pedaço (2019)

O mais recente trabalho de Walcyr Carrasco é mais uma prova do quanto a mente inventiva do autor o colocou como o rei do Ibope na Globo. Com uma produção solar e bastante diferente de outras novelas que ele escreveu para a faixa das 21h, a história de Maria da Paz (Juliana Paes) foi outro sucesso no currículo do roteirista.

Com média de 35,97 pontos, a novela é a quarta melhor média dos anos 2010 e detém o recorde de maior elevação deste período, já que A Dona do Pedaço recebeu a faixa em baixa, após o fracasso de O Sétimo Guardião



Melhores do Ano NaTelinha 2019: Vote e eleja os destaques do ano na televisão!


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!