Polêmica envolvendo o conto de “A Bela Adormecida” pode censurar livro em salas de aula

Divulgação

Publicado em 04/12/2017 às 14:30:24

Por: Taty Bruzzi

Depois de tantos escândalos sexuais agitarem os bastidores de Hollywood, uma nova polêmica pode censurar o conto “A Bela Adormecida” nas salas de aula inglesas. A iniciativa partiu de uma mãe que alega haver comportamento sexual inadequado no livro.

Na última semana, Sarah Hall foi surpreendida quando o filho, aluno de uma escola primária, levou para casa uma nova versão literária do conto de fadas, ficando preocupada com a mensagem proposta pela publicação.

Mãe de dois filhos, na opinião de Hall a passagem na qual o príncipe Felipe acorda a princesa Aurora com um beijo, libertando-a de uma maldição, configura abuso sexual.

Em entrevista ao “Newcastel Chronicle”, ela afirma, ainda, que a história não deve ser totalmente banida do currículo escolar. Para Sarah, o ideal é que o conto sirva de alerta e discussão com crianças mais velhas sobre consentimento e a forma com a qual a princesa deveria se sentir.

Na atual versão, um personagem chamado Kipper revela a um jovem príncipe a história da princesa adormecida a espera de um beijo capaz de fazê-la despertar daquele sono profundo.

Na publicação, é o próprio rapaz quem a beija. E, de acordo com Hall, a ilustração deixa claro que enquanto o príncipe ainda é uma criança e a princesa uma adolescente, Kipper já é um homem adulto.

Sarah usou as redes sociais para protestar contra o livro e usou a hastag #MeToo, a mesma utilizada por muitos homens e mulheres para compartilhar suas experiências de assédio sexual após as denúncias contra o produtor Harvey Weinstein, de Hollywood.

“Estes são indicativos de quão enraizado esse tipo de comportamento está na sociedade. Todas essas pequenas coisas se acumulam, e elas fazem a diferença”, declarou Hall ao “Newcastle Chronicle”.

“Acho que é uma questão específica na história de ‘A Bela Adormecida’ sobre comportamento sexual e consentimento. Trata-se de dizer: isso ainda é relevante? É apropriado? Na sociedade de hoje, não é apropriado. Meu filho tem apenas seis anos, ele absorve tudo o que ele vê, e não é como se eu pudesse transformar isso em uma conversa construtiva”, concluiu.



LEIA MAIS

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!

publicidade