Bate-papo

Débora Bloch fala de Segunda Chamada e dispara: "População está cega"

Atriz comentou atual momento social do Brasil

Débora Bloch fala de Segunda Chamada e dispara:
Débora Bloch protagoniza Segunda Chamada - Foto: Reprodução/Globo

Publicado em 02/12/2019 às 17:25:00

Por: Redação NT

Debora Bloch está fazendo sucesso como protagonista da série Segunda Chamada, da Globo, e já se prepara para começar a gravar a segunda temporada da produção. A atriz se mostrou satisfeita em poder trabalhar num projeto que tem levantado discussões sobre a educação do país.

“Outro dia, estava na praia e recebi fotos de crianças no chão num tiroteio no Vidigal. E a gente na praia, olhando para o Vidigal, como se tudo estivesse normal. Há uma guerra do nosso lado e a gente não vê. Esse é o retrato da Zona Sul hoje. Vivemos encastelados como Marias Antonietas, como se não fosse com a gente”, comentou em entrevista ao O Globo nesta segunda-feira (02).

O enredo gira em torno de professores e alunos adultos que convivem no período noturno da escola. Cinco profissionais buscam manter os estudantes interessados na educação, apesar de enfrentarem as dificuldades do dia-a-dia de um colégio público, como a falta de estrutura.

“Professoras vêm falar comigo, alunos dizem que estamos mostrando a realidade exatamente como ela é. É emocionante ver as pessoas se sentindo representadas. Fiquei tocada já com o assunto, sobretudo neste momento do país. Educação de qualidade para todos é algo que estamos sempre devendo. O afeto e comprometimento das professoras, o esforço dos alunos para aprender depois de uma jornada pesada de trabalho, também mexeram comigo. Quem frequenta essas escolas é a população menos favorecida. Gravamos numa ocupação onde se vive em condições sub-humanas, barracos feitos de papelão e lata, esgoto a céu aberto, onde crianças brincam. A gente não olha para essas pessoas. Nós vivemos numa bolha”, confessou.

Na visão de Débora, o brasileiro tem achado normal ver tanta desigualdade e violência do país. “Não é à toa que a América Latina está fervendo, não dá mais para as pessoas viverem nesse estado. A população pobre e preta, os índios e os ativistas sendo assassinados, helicóptero atirando em escolas nas favelas. Não é matando pobre que vamos acabar com a pobreza. Parte da população está cega. Estamos vendo o desmonte das políticas públicas e é assustador a elite brasileira apoiar esse tipo de pensamento. Tem gente pedindo a volta da ditadura... Eu me lembro de pais de amigos desaparecendo naquela época. As pessoas não se dão conta de que um dia chega na sua casa, o spray de pimenta vem no seu olho”, lamentou.

Débora Bloch e a força da mulher

Débora Bloch tem vivido um momento importante na carreira, usando a arte para abordar temas atuais e discutir o protagonismo da mulher na sociedade, independente da sua idade.

“Dei essa sorte com a Lucia [de [Segunda chamada]. Protagonizei a novela de Licia Manzo [Sete vidas] com 52 anos. Regina Casé, com 60 e poucos, é protagonista da Manuela Dias [autora de Amor de mãe]. A juventude é linda e a câmera a ama, mas a gente tem que sair só da estética. Não que eu não esteja nem aí. Coisa mala é ter que botar óculos. Mas quando vemos Sonia Braga e Fernanda Montenegro, com suas rugas e histórias na tela, é de uma força! E Maria Bethânia no palco?”, declarou.

Ela ainda apontou que o machismo ainda é muito forte na sociedade brasileira. “Claro que a sociedade é machista, no Brasil especialmente. Minhas amigas na Europa não estão enlouquecidas fazendo botox. Tem algo cruel com a mulher aqui no Brasil, no Rio, então... As mulheres têm que sair dessa!”, concluiu.



Melhores do Ano NaTelinha 2019: Vote e eleja os destaques do ano na televisão!


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!