Caso Neymar

Polícia encerra caso de estupro de Neymar e não pede indiciamento de jogador

Polícia encerra caso de estupro de Neymar e não pede indiciamento de jogador
Divulgação

Publicado em 29/07/2019 às 23:17:05

Por: Redação NT

A polícia encerrou o caso do suposto estupro que Neymar teria cometido contra a modelo Nájila Trindade e decidiu encerrar o processo movido pela mulher que havia acusado o jogador do PSG.

A denúncia foi feita há cerca de dois meses e rapidamente tornou o caso um dos principais assuntos do Brasil, influenciando até na relação de Neymar com a seleção brasileira que estava em fase de preparação para a Copa América.

A delegada Juliana Lopes Bussacos, da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher de Santo Amaro encerrou as investigações da denúncia de Nájila e o não indiciamento de Neymar no caso de estupro.

Este foi um passo importante no caso para garantir que Neymar não se torne réu por estupro. A reportagem conversou com um delegado que explicou que, casos assim, normalmente recebem a recomendação ocorre porque não há indícios suficientes para uma tomada de decisão. O jogador não se manifestou sobre a decisão da delegada.

Vale lembrar, no entanto, que a decisão de delegada não inocenta automaticamente o jogador brasileiro. Cabe agora ao Ministério Público de São Paulo avaliar a decisão policial e escrever uma recomendação para que a Justiça arquive o caso ou se pede o indiciamento de Neymar por estupro.

O caso de Neymar e Nájila tomou conta dos noticiários nos últimos 60 dias e mexeu com a estrutura das emissoras, com direito à Globo ter demitido o repórter Mauro Naves que, supostamente, teria tido participação no caso sem comunicar o canal.

Vale lembrar que todas as emissoras de TV aberta fizeram cobertura do caso e o SBT foi o primeiro a falar com Nájila que concedeu entrevista exclusiva a Roberto Cabrini falando sobre o tema. Enquanto isso, o pai de Neymar esteve no programa “Aqui na Band”, dois dias depois da denúncia ter sido noticiada.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!