Novo Encontro

Ativista LGBTI+ se derrete por Nego do Borel: "temos uma história de amor"

Após novo encontro, Agripino Magalhães diz que Nego do Borel não é o "monstro" que todos pintavami

Nego do Borel e Agripino Magalhães
Nego do Borel e Agripino Magalhães tiveram novo encontro na última sexta (15)
Foto do Colunista / Jornalista

Sandro Nascimento
i

Sandro Nascimento

O jornalista Sandro Nascimento assina colunas e reportagens exclusivas no NaTelinha. Também é correspondente da agência de notícias ZOOMINTV. Twitter: @SandroNascimm / E-mail: sandro@natelinha.com.br

Publicado em 18/03/2019 às 13:01:02 Atualizado em 19/03/2019 às 14:13:32

Toda a polêmica envolvendo Nego do Borel com a transexual Luisa Marilac, que gerou uma crise na carreira do funkeiro, ficou para trás. É o que acredita um dos principais ativistas do movimento LGBTI+ do país, Agripino Magalhães.

"A população LGBTI+ viu que depois de um mês daquele fato, o Nego do Borel não é aquele 'monstro' que muitos estavam atacando. Percebo que muitos irmãos LGBTI+ mudaram de opinião quando o mesmo teve interesse em conhecer a realidade que a população LGBTI+ vive em São Paulo e no Brasil", contou Agripino em conversa com o NaTelinha.

O ativista se encontrou pela segunda vez com Nego do Borel na última sexta-feira (15), numa casa noturna de São Paulo.

"Conversamos sobre o quanto ele ajudou a dar mais visibilidade à causa LGBTI+. É importante a partir dele muitos saberem o que é orientação sexual e identidade de gênero. Ele falou da minha importância na vida dele. Hoje temos uma história de amor e carinho que não tínhamos antes. O Nego é uma pessoa que tem um coração imenso", revelou.

Em fevereiro, no auge da crise na carreira de Nego do Borel, os dois se encontraram pela primeira vez na capital paulista, na Casa Florescer, espaço que abriga mulheres transexuais e travestis em situação de vulnerabilidade.

"A casa hoje tem mais visibilidade do que antes. Vejo muita gente comentando que foi louvável a atitude do Nego, ir até lá conhecer de perto a história de cada pessoa Trans, que são acolhidas lá", pontua o ativista do movimento LGBTI+.

Para Agripino Magalhães, neste período de um mês entre o primeiro e o segundo encontro com o funkeiro que nasceu e cresceu no morro do Borel, localizando na zona norte do Rio, "mudaram muitas coisas", e explica: "Hoje ele é uma pessoa que a gente vê que aprendeu com todo aquele fato que ocorreu com ele em janeiro. Uma pessoa que a gente vê que não falou por maldade".

Confusão

No dia 12 de janeiro, Nego do Borel publicou no perfil de Luisa Marilac o seguinte comentário: "Você é um homem gato também, parabéns, deve estar cheio de gatas!".

Sentindo-se ofendida, a transexual retrucou o cantor: "onde você está vendo um homem aqui?". Em seguida, colocou no seu perfil do Instagram o print da conversa, com a legenda: "Eu estou perplexa. Fiquei sem chão. Sigo cara tanto tempo... Gosto do trabalho dele. Olha o que ele fala pra mim. Vivendo e aprendendo é assim que a gente conhece as pessoas".

A partir de então, Nego do Borel vinha enfrentado diversos problemas na carreira. Foi vaiado durante uma participação especial no show de Anitta, teve a gravação do seu DVD cancelada e alguns artistas se afastaram para não terem suas imagens atreladas ao funkeiro.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!