Veja outra vez

40 anos do Vale a Pena Ver de Novo: O horário nobre das reprises da Globo

Faixa de reprise de novelas se consolidou nas tardes da Globo

40 anos do Vale a Pena Ver de Novo: O horário nobre das reprises da Globo
Vale a Pena ver de Novo completa 30 anos na Globo - Foto: Divulgação

Publicado em 04/02/2020 às 05:51:11

Por: Daniel César

Em 2020 a Globo comemora os 40 anos do Vale a Pena Ver de Novo, a faixa de reprise de suas principais novelas e que é recheada de sucessos, algumas tramas que tiveram mais de uma reapresentação e até mudanças de horários na faixa vespertina da emissora.

Em 5 de maio de 1980, a Globo colocou no ar Dona Xepa, trama de Gilberto Braga, cuja exibição original foi ao ar em 1977. A partir daí começava uma das faixas mais bem sucedidas do canal carioca e que já contou, até hoje, com 90 produções reprisadas, entre sucessos e fracassos.

A sessão foi criada para entrar no ar depois do Jornal Hoje, ou seja, logo no início da tarde e assim permaneceu por muitos anos, até que em 2014, a emissora optou por colocá-la antes de Malhação, oNFe permanece ainda hoje. 

Ao longo de sua história, o Vale a Pena Ver de Novo já registrou grandes audiências que se compararam até a outros horários, como A Gata Comeu. A novela de Ivani Ribeiro foi reprisada em 1989 e alcançou impressionantes 32,68 pontos de média. Na exibição original, o folhetim marcou 48,74 em 1985. Ainda hoje, esta é a maior audiência da faixa.

Mas houve outros sucessos, como foi o caso de Mulheres de Areia, em 1996. A outra novela de Ivani Ribeiro registrou 28,20 pontos e ostenta o maior Ibope daquela década. Três anos antes, o remake havia sido exibido na faixa das 18h e marcou 49,18 de média.

Na década de 2000, o maior Ibope da sessão ficou nas mãos de Anjo Mau, remake de Maria Adelaide Amaral baseada na obra de Cassiano Gabus Mendes. Se em 1997 a produção marcou 31,80 pontos no horário das seis, na reprise a produção ficou com 25,80, em 2003

Nos últimos 10 anos, quem ostenta a maior audiência de reprises é Senhora do Destino. O sucesso estrondoso de Aguinaldo Silva, exibido em 2004 e que fechou com 50,34. Na exibição de 2017 ela marcou 17,98.

Fracassos do Vale a Pena Ver de Novo

Se audiência não é tudo, o Vale a Pena Ver de Novo teve de resistir a momentos delicados em que os números do Ibope patinavam e a faixa ficou muito abaixo do que havia na expectativa da Globo. A mais recente foi com o arrasa-quarteirão de Sílvio de Abreu, Belíssima. A produção de 2006 foi um sucesso em sua primeira exibição, terminando com 48,6 de média enquanto na reprise registrou 13,71 pontos.

Nada que se compare ao ano de 2001, quando a emissora optou por não mostrar suas novelas e manter na faixa a reprise do Você Decide. Por duas semanas, a audiência patinou no Ibope a ponto de registrar 11,20 de média. Mesmo em outra época, nos anos 90, quando a Globo era mais consolidada em todas as faixas, também houve fracassos, como em 1990, quando Roda de Fogo, de Lauro César Muniz, ficou com 16,97 pontos, derrubando mais de 10 pontos da antecessora na faixa, com Pão, Pão, Beijo, Beijo.

Autores mais reprisados no Vale a Pena Ver de Novo

Com 40 anos no ar e quase 100 tramas indo ao ar, muitos autores foram reprisados na faixa do Vale a Pena Ver de Novo. Mas apenas três ostentam a primeira posição deste ranking. São eles: Aguinaldo Silva, Silvio de Abreu e Ivani Ribeiro.

Mesmo anunciando que não haverá renovação de contrato com a emissora, Aguinaldo Silva é o autor mais reprisado da faixa, sua primeira produção no Vale a Pena Ver de Novo foi ao ar em 1992, com Vale Tudo. De lá para cá foram mais sete reprises. Tieta (1994), Pedra Sobre Pedra (1995), Fera Ferida (1998), A Indomada (1999), Roque Santeiro (2000) e duas vezes Senhora do Destino (2009 e 2017).

Já o atual diretor de dramaturgia do canal fez sucesso com suas reprises ao longo dos 40 anos de faixa. Em 1984 ocupou a faixa a novela Pecado Rasgado, depois foi a vez de Jogo da Vida (1985), em seguida Sassaricando (1990), depois Cambalacho (1991), Rainha da Sucata (1994), A Próxima Vítima (2000), Deus nos Acuda (2004) e Belíssima (2008).

Falecida há mais de 20 anos, Ivani Ribeiro também ocupa o topo do ranking. A novelista estreou no Vale a Pena Ver de Novo em 1985 com a reprise de Final Feliz, depois foi com Amor com Amor se Paga (1987). Já A Gata Comeu ganhou a primeira reprise em 1989, depois ela emplacou duas tramas seguidas no horário com Mulheres de Areia (1996) e A Viagem (1997). Em 2001 foi a vez da segunda re-exibição de A Gata Comeu, em 2006 a segunda de A Viagem e em 2012 a segunda de Mulheres de Areia.

Vale a Pena Ver de Novo sem Janete

Chama a atenção, no entanto, que mesmo com 90 produções exibidas, se considerarmos a atual Avenida Brasil, o Vale a Pena Ver de Novo mostrou reapresentações de novelas de dezenas de autores, mas há a falta de pelo menos uma delas.

Trata-se de Janete Clair. Considerada a maior novelista de todos os tempos, a autora de sucessos como O Astro, Véu de Noiva e tantos outros, morreu três anos depois da Globo consolidar a faixa e nunca teve uma única novela sua exibida no horário.

Re-reprises no Vale a Pena Ver de Novo

As novelas também ganharam mais de um exibição e não foram apenas as de Ivani Ribeiro, embora ela seja a autora que mais ganhou duas reprises de suas tramas no Vale a Pena Ver de Novo.

Além de A Gata Comeu (1985), Mulheres de Areia (1993) e A Viagem (1994), também puderam ser acompanhadas duas vezes na faixa, tramas como O Rei do Gado (1996), Chocolate com Pimenta (2003), O Cravo e a Rosa (2000), Por Amor (1997), Anjo Mau (1997), Da Cor do Pecado (2004), e Senhora do Destino (2004).

Confira as aberturas do Vale a Pena Ver de Novo 


Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!