Reportar erro
Aviso

Com título e temas racistas, Viva exibe alerta após estreia de Da Cor do Pecado

Novela de 2004 começou a ser reprisada pelo canal pago

Cena de Da Cor do Pecado
Da Cor do Pecado estreou na segunda-feira (19) - Foto: Reprodução
Redação NT

Publicado em 20/04/2021 às 14:53:10,
atualizado em 20/04/2021 às 15:04:33

A novela Da Cor do Pecado (2004) estreou no Viva na última segunda-feira (19) e, ao fim do primeiro capítulo, o canal exibiu um aviso na tela fazendo um alerta sobre o folhetim. É a primeira vez que a emissora do Grupo Globo coloca esse tipo de mensagem e já se tornou um padrão, já que também foi incorporado no final dos episódios de A Viagem (1994) e O Salvador da Pátria (1989).

“Esta obra reproduz comportamentos e costumes da época em que foi realizada”, diz o texto exibido pelo Viva. O aviso foi colocado porque o título da trama de João Emanuel Carneiro é considerada racista nos tempos atuais, porque a frase “da cor do pecado” costuma ser associada à sexualização do corpo das mulheres negras.

Outra explicação para a expressão é em relação ao período escravocrata entre negros e o pecado, justificando o motivo deles serem obrigados a servirem os brancos, como se fosse um “castigo” de Deus. Em 2004, o termo não era problematizado, diferente dos tempos atuais.

O Viva evitou o usar o título da novela na divulgação do folhetim nas redes sociais, principalmente nas hashtag postadas em seu perfil do Twitter. No YouTube, a emissora posta prévias das suas produções e ela não mencionou Da Cor do Pecado no trecho da obra.

Com título e temas racistas, Viva exibe alerta após estreia de Da Cor do Pecado

Da Cor do Pecado e seu enredo

Com título e temas racistas, Viva exibe alerta após estreia de Da Cor do Pecado

Da Cor do Pecado foi a novela de maior audiência do século na faixa das 19h e contou com a primeira protagonista negra da história da Globo em um folhetim, interpretada por Taís Araújo. Sua personagem, que se chamava Preta, tentava viver um grande amor com Paco (Reynaldo Gianecchini), mas sofria perseguição da vilã Bárbara (Giovanna Anonelli).

Além de criar seu filho Raí (Sergio Malheiros), Preta tinha que lidar com o avô do menino, o poderoso Alberto Lambertini (Lima Duarte), que vai se humanizando ao conviver com o neto. A produção ainda contou com núcleos paralelos de sucesso, como da família Sardinha.