Lista NT

Da atuação de Elizabeth Savalla ao gato Léon, confira 7 pontos positivos de “O Sétimo Guardião”

Da atuação de Elizabeth Savalla ao gato Léon, confira 7 pontos positivos de “O Sétimo Guardião”
Divulgação

Taty Bruzzi
i

Taty Bruzzi

Jornalista com especialização em Jornalismo Cultural, Tatiana Bruzzi atua na área há 19 anos, com ampla experiência na produção, criação, edição e revisão de texto. Nos últimos anos tem focado nas editorias de Mulher, Famosos e Cinema.

Publicado em 15/05/2019 às 06:30:42 Atualizado em 15/05/2019 às 10:11:00

Durante os seis meses em que esteve no ar, “O Sétimo Guardião” deu muito o que falar. Escrita por Aguinaldo Silva, a atual trama das nove chega ao seu final contabilizando mais críticas do que elogios.

Tendo como tema central o misticismo, a história sobre a existência de uma fonte milagrosa protegida por uma irmandade com sete integrantes não foi bem aceita pelo telespectador.

E nesse vai e vem em busca de melhorar a audiência bem abaixo do esperado, nem as discretas mudanças na trama causaram efeito. O casal de protagonistas não emplacou, os guardiães não convenceram e até o mistério da água com poderes curativos, que poderia ser mais explorado, caiu no esquecimento.

Por outro lado, o folhetim teve seus méritos. Um dos acertos foi o mistério que envolvia o gato Léon, fiel escudeiro de Egídio (Antonio Calloni), guardião-mor no início da história. Destacamos 7 pontos positivos da obra.

Confira:

Referências de outras novelas do autor

“O Sétimo Guardião” se passa em Serro Azul, município vizinho à Greenville e Tubiacanga, cidades onde se passavam as tramas de “A Indomada” e “Fera Ferida”. Todos estes lugares fazem parte de um complexo fictício criado por Aguinaldo Silva e, assim como aconteceu com a atual novela, nas anteriores o autor também citou em algum momento a região de Serro Azul. É a forma que ele tem de homenagear suas obras.

Scarlet Mackenzie Pitiguary e Ypiranga Pitiguary

A participação especial dos atores Luiza Tomé e Paulo Betti revivendo seus papéis de “A Indomada” na atual novela de Aguinaldo Silva foi muito comemorada pelos internautas. O casal fictício Ypiranga Pitiguary e Scarlet Mackenzie Pitiguary apareceram em alguns capítulos da novela. Em “O Sétimo Guardião”, o ex-Prefeito de Greenville surge como responsável pela reforma do casarão da Valentina (Lilia Cabral) em Serro Azul. Fã da empresária do ramo de cosméticos, Scarlet faz questão de conhecer a mãe de Gabriel (Bruno Gagliasso) pessoalmente. A despedida do casal foi fantasiosa, com direito a um veículo voador bem no estilo do Delorean do filme “De Volta Para O Futuro”.

Gato Léon

Com direito a aparecer na abertura da novela, Léon é um gato de pelos pretos e olhos amarelados que surge logo no início da trama com o propósito de atrair Gabriel (Bruno Gagliasso) para a cidade se Serro Azul em busca de fazer valer seu destino como guardião-mor da fonte. No decorrer da história, descobre-se que ele tem a forma humana de Murilo (Eduardo Moscovis), que se transformou em gato como castigo por ter traído a irmandade. É inegável que sobrou carisma no gato e faltou o filho de Sóstenes (Marcos Caruso).

Mirtes

Insana e carola, dona Mirtes (Elizabeth Savalla) é a típica beata do interior que adora apontar as falhas dos outros enquanto se esquece dos próprios defeitos. Mãe do Dr. Aranha (Paulo Rocha), faz de tudo para manter o filho embaixo da sua influência e consegue durante boa parte da história. Até o momento em que ele se vê obrigado a escolher entre a mãe e a esposa, Stella (Vanessa Giácomo), ficando com a segunda opção. A partir daí, Mirtes surta e o que presenciamos é um show de interpretação da veterana atriz. Destaque para três sequência: quando incentiva uma verdadeira “malhação e judas” em praça pública contra o delegado Machado (Milhem Cortaz), quando comanda um mutirão até à fonte e quando ela e Stella fazem as pazes logo depois de anunciado o assassinato de Aranha.

O romance entre Dona Milu e Jurandir

Fazendo jus ao ditado “os opostos se atraem”, o romance entre Dona Milu (Zezé Polessa) e o beato Jurandir (Paulo Miklos) tinha tudo para dar certo. Ela desenvolta e completamente desprendida de preconceitos. Ele um viúvo fechado para o amor, que via pecado em tudo, até perceber quanto esse sentimento nos mantêm vivos. Era uma gracinha vê-lo em cena redescobrindo o prazer em estar junto. Uma pena que com a morte da guardiã o personagem do ex-Titã tenha perdido sentido na trama.

Nicolau

Impossível falar dos pontos positivos de “O Sétimo Guardião” sem citar Nicolau, personagem de Marcelo Serrado. O chapeiro é a personificação do homem machista e ignorante. Chega a dar repulsa a forma com a qual ele trata a mulher Afrodite (Carolina Dieckmann), a quem vê como um objeto sexual, e os filhos, em especial Diana (Laryssa Ayres) e Bebeto (Eduardo Speroni) só porque enquanto a moça sonha em se tornar uma atleta do Judô o rapaz almeja a carreira de dançarino. Destaque para a cena em que pai e filho saem no tapa.

Adamastor Davis Crawford

O personagem de Theodoro Cochrane começou meio tímido, mas foi crescendo no decorrer da trama e acabou se tornando um dos destaques da novela. Fiel escudeiro da Ondina (Ana Beatriz Nogueira), até a morte da dona do cabaré e da pousada de Serro Azul era os olhos e ouvidos da “mamãe”. Com a morte da guardiã, tornou-se herdeiro e, até, chegou a ser apontado como possível assassino. Amigo de Stella, foi doador do sêmen para o bebê da nora da Mirtes e esposa do Aranha. A expectativa agora é para assumir sua homossexualidade e encontrar um amor nesta reta final da trama.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!