Reportar erro
Recorde

“Vingadores: Ultimato” torna-se o filme mais visto de 2019 no Brasil

Longa já arrecadou mais de R$ 220 milhões no país

Montagem com personagens do filme "Vingadores: Ultimato"
"Vingadores: Ultimato" quebra recorde de bilheteria no Brasil - Foto: Divulgação
Naian Lucas

Publicado em 08/05/2019 às 19:05:14

O filme “Vingadores: Ultimato” chegou a marca de 12,4 milhões de telespectadores e se tornou o filme mais assistido do cinema em 2019 no Brasil.

Os dados apontam que o longa ultrapassou a marca dos R$ 223 milhões de bilheteria, superando qualquer outro que tenha ficado em cartaz neste ano no país.

A título de comparação, a segunda posição da semana foi o filme nacional com Ingrid Guimarães,  “De Pernas para o Ar 3”, que arrecadou pouco mais de R$ 2 mi. Enquanto isso, só nesta semana, “Vingadores: Ultimato” obteve R$ 63 milhões.

O longa ainda está em vias de se tornar o longa com maior arrecadação da história do cinema no mundo. Na última semana, garantiu a segunda posição superando “Titanic”. Resta agora apenas “Avatar” e especialistas acreditam que isso ocorrerá já nos próximos dias.

No Brasil, "Vingadores: Ultimativo" se viu envolvido em um imbróglio involuntário e foi alvo de protestos da classe artística que trabalha com cinema no país. É que a obra ficou disponível em 92% das salas de exibição e ocupou espaço de boa parte dos outros filmes.

Isso aconteceu porque o atual governo federal não havia assinado o decreto anual que obriga os cinemas do Brasil a garantir um percentual específico para exibição de filmes nacionais.

A atriz e produtora Ingrid Guimarães chegou a comentar o fato nas redes sociais ao comemorar os resultados da terceira sequência do “De Pernas para o Ar”. Ela lembrou que competir com um filme que ocupa todo o espaço do cinema é desleal e que os números do longa brasileiro mostram que é possível oferecer os dois produtos ao público brasileiro.

Nesta semana, o governo anunciou que o decreto foi assinado e que, já a partir de sua publicação, as salas de cinema terão de respeitar o espaço destinado para filmes nacionais.

Mais Notícias