Batalhas

Glória Maria conta como virou desafeto de João Figueiredo e detalha luta contra o câncer

"Não me suportava", contou ela ao Conversa com Bial sobre Figueiredo

Glória Maria conta como virou desafeto de João Figueiredo e detalha luta contra o câncer
Pedro Bial e Glória Maria estrearam nova temporada do Conversa com Bial - Reprodução/TV Globo

Publicado em 19/05/2020 às 08:09:25

Por: Redação NT

Glória Maria falou pela primeira vez depois de sete meses de luta contra um tumor no cérebro, à TV. Ela estreou a nova temporada do Conversa com Bial na madrugada desta terça-feira (19), onde falou sobre o câncer, a perda da mãe em fevereiro e sobre como se tornou desafeto do General Figueiredo, que ficou no poder, entre 1979 e 1985.

Sobre o câncer, conta que 2019 foi um ano impensável, principalmente quando descobriu o tumor no cérebro: "A imagem que eu tenho não vou esquecer. Do nada, eu caí em casa depois de um jantar, fui no hospital costurar a cabeça e me falaram: 'Você está com um tumor no cérebro'".

A princípio, a jornalista pensou que os exames haviam sido trocados. E não chorou. "Não desesperei. Peguei o telefone e falei: 'Grava. Tenho que registrar isso, não sei se vou conseguir sobreviver a isso", recorda.

O tratamento, no entanto, caminhou, e Glória passou a responder bem. "Estou terminando a imunoterapia", lembra ela, que disse que a mãe, Edna, falecida em fevereiro, não imaginava o que ela estava passando mal.

A morte súbita da mãe

A mãe da jornalista faleceu em fevereiro ao passar mal. E a partir daí, começou a fazer uma análise da própria vida: "Tumor no cérebro, infecção pulmonar, a perda da minha mãe. Se eu não for agora, não vou nunca mais".

Durante o tratamento, Glória revelou que não se abalou: "Não derramei uma lágrima, não fiz uma única pergunta. Achei que tudo isso foi uma benção. Deus me concedeu a graça de ter mais um pedaço de uma vida para conhecer".

Desavenças com João Figueiredo

A ex-titular do Fantástico relembrou como era sua relação com o presidente militar João Figueiredo. "Não me suportava. Quando ele foi indicado, a gente foi fazer a famosa fala dele na Vila Militar, em que ele dizia: 'para defender a democracia, eu bato, prendo e arrebento'", afirma.

A jornalista rapidamente discordou do ex-presidente: "Isso que o senhor citou não existe mais". Foi o bastante para que ela fosse expulsa do local: "Tira essa mulher daqui, tira essa mulher daqui".

No entanto, a equipe de Figueiredo era a mesma de Geisel, e Glória lembra que todos gostavam dela, inclusive lhe davam os melhores lugares, mas era só o general chegar para ordenar: "Tira aquela 'neguinha' da Globo daqui'. E eu passei todo o governo Figueiredo ouvindo".

Para ela, o Brasil não está menos racista agora: "Tá racista igual. A única diferença é que hoje as coisas ganham uma proporção maior, nada mudou. A discriminação continua igualzinha, as pessoas acham que hoje é pior. Não, não. Quem não gosta de preto, não gosta".

publicidade




LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!