Ponto de Vista

Disney força representatividade negra na escolha da Pequena Sereia e rasga mitologia

Escolha da atriz para viver Ariel em novo filme foi polêmica e divide opiniões

Disney força representatividade negra na escolha da Pequena Sereia e rasga mitologia
Halle Bailey foi escolhida pela Disney para fazer personagem da mitologia grega

Publicado em 04/07/2019 às 15:57:00 ,
atualizado em 04/07/2019 às 16:00:15

Por: Laís Lubrani

Está dando o que falar a escolha de uma atriz negra para interpretar a Pequena Sereia em novo filme live action da Disney. Caberá a Halle Bailey, de 19 anos, dar vida ao ser mitológico.

No Twitter, os usuários se dividiram entre favoráveis e contrários. Abraçando um dos times, a coluna não vê razão em colocar uma atriz negra para interpretar uma personagem que todos conhecem com a pele branca. E não, não é racismo: é meu ponto de vista - aliás, o nome do espaço é exatamente esse.

O conto original - escrito por Hans Christian Andersen em 1848 - dá detalhes sobre a protagonista com cauda de peixe: "Sua pele era clara e delicada como uma pétala de rosa. Seus olhos eram azuis como um lago profundo". Eis que a Disney, ao lançar a primeira animação em 1989, reescreve a obra e inclui uma personagem com traços idênticos aos da original (o cabelo ruivo foi um detalhe).

A princesa da Disney que vive no mar é neta do Poseidon, deus grego. E como é sabido, a mitologia não criou nenhum deus com a pele negra - o que é até uma pena - bem como os próprios gregos se referiam aos negros como um povo diferente deles fisicamente, chamando-os de etiópios, que em grego significa rosto queimado. Sendo assim, não haveria como a querida Ariel ter a pele escura.

É claro que a comunidade negra pensa se sentir representada e quer aplaudir a escolha da Disney. Mas se ela pensar bem, não deveria. Uma indústria enorme, que pode criar personagens quando bem entender, e só agora, no século 21, fez personagens negras para protagonizarem suas histórias, pode muito bem abraçar a causa de todas as minorias de forma digna e sem polêmica.

Aliás, a empresa já tem feito isso de maneira incrível. Tiana e Moana são apenas dois exemplos, de vários: um homossexual em "A Bela e a Fera" e o gênio de Aladdin ser o talentoso Will Smith – já que o gênio sim, não tem etnia – são outros pontos importantes. Casos como esses nos alegram e eles sim devem ser aplaudidos e até mesmo ampliados. Trocar a etnia da Ariel, no entanto, parece forçar uma representatividade, até mesmo desprezando séculos de lutas desses povos.

Sabe aquela criança negra que leu “A Pequena Sereia” e em brincadeiras com amigas quis ser a personagem e não podia? Pois bem. Colocar uma atriz negra em nada muda o fato de que ela ainda não é representada. É necessário que se entenda que as pequenas precisam reconhecer a possibilidade de se tornarem rainhas mesmo sendo negras, desde a história original.


Montagens de Ariel com a pele negra já começam a circular

A escolha gerou polêmica porque incomodou. Muitos ficaram incomodados em razão do racismo, mas outros esperavam outra atriz no lugar, em nenhum momento desmerecendo o talento de Halle Bailey. Atrizes negras precisam de espaço? Muito. Mulheres e homens negros devem se sentir representados? Muito. Dá pra fazer isso em filmes? Com certeza, mas da forma correta.

A Disney quis inserir representatividade, mas não soou natural. E isso precisa ser cada vez mais originário, para que o estranho mesmo seja o que hoje é aceito. Isso precisa ser feito com parcimônia, bom senso, bom gosto e com coragem. Esperamos assistir a filmes com boas histórias interpretadas por protagonistas negras, asiáticas e homossexuais.

No entanto, representatividade é algo que deve acontecer naturalmente. Rasgar a mitologia para transformar Ariel é uma tentativa da Disney em querer aplausos e confetes. O tiro, no entanto, pode sair pela culatra.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!