Reportar erro
Em alta no Brasil

A Escrava Isaura deixa jornalismo e novelas bíblicas para trás e lidera Ibope da Record

Trama de Tiago Santiago foi o produto mais visto da Record no Brasil

Cena de A Escrava Isaura
A Escrava Isaura virou a maior audiência da Record no Brasil - Foto: Divulgação
Daniel César

Publicado em 02/06/2020 às 18:45:01

A Escrava Isaura fez bonito na última semana e deixou o jornalismo e as novelas bíblicas da Record para trás, assumindo o ranking de audiência da emissora no PNT (Painel Nacional de Televisão) do Ibope, entre os dias 25 e 31 de maio.

Segundo dados da Kantar Ibope obtidos pelo NaTelinha junto à fontes do mercado, a reprise da novela de Tiago Santiago alcançou média de 7,9 pontos no Painel e ficou no topo do ranking de audiência entre todos os programas da Record na semana passada, superando as produções jornalísticas, que costumavam liderar.

Um exemplo foi o Domingo Espetacular, que vinha sendo o líder de audiência da emissora no país e, na última semana fechou com média de 7,7 pontos, ocupando a segunda colocação na lista do Ibope. O terceiro lugar foi para outro produto do jornalismo, o Jornal da Record, que marcou 7,6.

Na comparação com a dramaturgia, A Escrava Isaura fez ainda melhor e superou com larga vantagem as reprises de tramas bíblicas do canal ligado a Igreja Universal do Reino de Deus. Apocalipse, que assumiu o principal horário de novelas da casa, fechou com média de 6,5 pontos, o que significa 18% a menos de audiência que a produção vespertina.

A Escrava Isaura no Brasil

A novela de Tiago Santiago conquistou a liderança no ranking da Record porque conquistou bons resultados em todas as praças do PNT. Em Belo Horizonte, A Escrava Isaura fechou com média de 12,7 pontos, enquanto em Salvador foi a 15,0 de média.

Em termos de público, a produção atingiu a média de 2,5 milhões de brasileiros por capítulo na última semana, o que também a colocou como o principal produto da Record neste período. Já no share, a novela ficou com 13,8%, sendo superada apenas pelo Jornal da Record (17,8%) e por Apocalipse (14,6%).

Mais Notícias