Globo

"O Tempo Não Para" exibe cena policial inspirada em acontecimento real; caso já inspirou outra novela

Divulgação/ TV Globo

Publicado em 16/01/2019 às 17:29:05 ,
atualizado em 16/01/2019 às 20:29:10

Por: Naian Lucas

Nesta última terça-feira (15), a Globo levou ao ar uma cena no capítulo 144 de "O Tempo Não Para", que se inspirou na vida real.

O ano era 2016. O então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), decide desativar dezenas de escolas do Estado e matricular os alunos dessas unidades em novos colégios públicos. Os estudantes, inconformados com a decisão do político, resolveram ocupar os prédios de estudo.

Foram semanas de ocupação. Os principais noticiários do país acompanharam a movimentação dos grupos estudantis para não permitir o fechamento das escolas. A campanha iniciada em São Paulo ganhou outras partes do Brasil, que também teriam colégios fechados.

Uma das cenas que simbolizou a resistência foi quando a Tropa de Choque chegou para desocupar o espaço público e os alunos juntaram os braços, formando uma barreira. Os policiais batiam o cassetete em seus escudos, enquanto as imagens mostravam o conflito entre os dois grupos.

Houve a desocupação, mas o governador voltou atrás na sua decisão de fechar as escolas, no qual ele chamava de reorganização. A imagem ficou na memória de muitas pessoas e, aparentemente, serviu como base para os roteiristas de dramaturgia no Brasil.

"Malhação"

De Emanuel Jacobina, “Malhação: Seu Lugar No Mundo” tratou do tema. A escola pública onde estudava a protagonista Luciana (Marina Moschen) seria fechada pelo governo do Estado. Os alunos e professores não aceitaram a decisão e resolveram ocupar o colégio.

Foram vários capítulos focados no trabalho de ocupação. A história narrou a limpeza, os consertos, as pinturas e a reestruturação do prédio, tudo feito pelos alunos, vale lembrar ainda que a trama mostrou um lado corrupto de políticos, representados pela Secretaria de Estado da Educação.

A escola não fechou, pois Jacobina se inspirou na mesma imagem ocorrida entre a Tropa de Choque de São Paulo e os estudantes. A diferença é que os policiais não desocuparam o espaço, porque a Justiça na trama não permitiu.

"O Tempo Não Para"

A novela de Mário Teixeira também usou a mesma referência, mas desta vez não envolveu uma escola. A Tropa de Choque recebeu ordens para desocupar o local, pois Lúcio (João Baldasserini_ tinha autorização para poder derrubar a Samvita, holding criada por Samuca (Nicolas Prattes).

Os personagens defensores da empresa deram as mãos e fizeram uma barreira para os policiais não invadirem o espaço. No momento auge do conflito, a advogada de Samuca conseguiu uma liminar, impedindo a desocupação.

"Invasões reais e tragédia"

Vale lembrar que, nem sempre tudo termina em paz, como foi o caso da história real citada acima e ocorrida na cidade de São Paulo, ou mesmo nos dois exemplos recentes da dramaturgia.

Invasões reais que acabaram em tragédia também serviram como base para a dramaturgia, como foi o caso do massacre do Carandiru. Com centenas de mortes, o massacre acabou ganhando as telas do Cinema e também um livro, escrito por Dráuzio Varela.



publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!