Entrevista especial

"O mundo real está complicado demais para ser tratado de modo leve", diz Aguinaldo Silva

Autor relembra a época de “A Indomada” e os elementos que usa para criar as “cidadezinhas fantásticas”

Aguinaldo com a colaboradora Joana Jorge e Lília Cabral, caracterizada como a grande vilã Valentina Marsala, de "O Sétimo Guardião" - Foto: Arquivo pessoal

Publicado em 05/08/2018 às 08:40:05

Por: Diogo Cavalcante

Situações surreais, personagens fortes e cidades pequenas cheias de magia. Toda essa atmosfera ficcional de Aguinaldo Silva está de volta desde a última segunda-feira (30), com a reestreia de “A Indomada” no Canal Viva. Originalmente exibida às 21h em 1997, a reprise é um prenúncio do que o telespectador pode esperar de “O Sétimo Guardião”, próxima novela do autor na Globo. Com estreia prevista para novembro, a trama marca a volta de Aguinaldo ao realismo fantástico que o consagrou.

“O mundo real está complicado e difícil demais para ser tratado de um modo, digamos assim, 'leve', como o gênero novela exige”, conta o escritor, que por ora, descarta retornar às tramas urbanas. “Sinto que depois de quatro novelas 'quase' realistas - pois havia elementos fantásticos em todas - estava na hora de enveredar pelo realismo mágico de novo. A expectativa que ‘O Sétimo Guardião’ vem provocando me diz que talvez eu esteja certo”, complementa em entrevista exclusiva ao NaTelinha.

Um ponto em comum são as cidadezinhas que ambientam a história. “A Indomada” se passa na fictícia Greenville. “O Sétimo Guardião”, em Serro Azul - um lugar que em pleno século XXI tem dificuldades no acesso à telecomunicação. Esses locais costumam ser um retrato das diversas regiões do Brasil, mas instigam a curiosidade do público imaginar onde seria localizada exatamente no mapa. Pelo contexto, Greenville fica na Zona da Mata Sul de Pernambuco, e Serro Azul no interior de São Paulo.

Quase sem mapa

“Este território ficcional onde situo minhas novelas abrange um pouco de tudo: o litoral e o sertão do Nordeste, o Sul de Minas, o Noroeste Paulista. Seja que trama for, ela sempre transcorre numa dessas reuniões ou começa numa delas. No caso de 'O Sétimo Guardião', embora não esteja lá o sotaque, ela é sem nenhuma dúvida uma cidade do mais remoto interior paulista”, explica Aguinaldo.

Ao longo de sua trajetória como autor, foram sete cidadezinhas “fantásticas” utilizadas como cenário. Em “Roque Santeiro” (1985), era em Asa Branca que a Viúva Porcina (Regina Duarte) dava seus escândalos. Já em “Tieta” (1989), Santana do Agreste era o palco das vilanias de Perpétua (Joana Fomm). “Pedra Sobre Pedra” (1992) se passava em Resplendor - teoricamente, integrante da região da Chapada Diamantina, na Bahia. Tubiacanga era o município de “Fera Ferida” (1993). E diretamente do Litoral Sul da Bahia vinham as histórias de “Porto dos Milagres”, na cidade de mesmo nome.

E tudo é quase autobiográfico. “Minhas cidadezinhas têm todas a mesma origem: Carpina (PE), onde vivi minha infância e meus melhores dias. Algumas não foram criadas por mim - Asa Branca era de Dias Gomes e Santana do Agreste de Jorge Amado -. Mas dei a elas características baseadas nas minhas lembranças de Carpina”, afirma. “Me orgulho de ser o único autor a ter um universo geográfico dentro do qual sempre acabo aprisionando meus personagens. Até nas minhas novelas urbanas: Maria do Carmo, de ‘Senhora do Destino’, saiu do interior de Pernambuco, assim como José Alfredo Medeiros, de ‘Império’, e o Juvenal Antena, de ‘Duas Caras’”.

Saudade que não passa

Quanto à “A Indomada”, a maior lembrança de Aguinaldo Silva é do diretor Paulo Ubiratan. “Era um gênio da direção televisiva e, em termos artísticos, para mim uma espécie de alma gêmea. Sinto saudades da maneira quase desavergonhada como a gente embarcava na ficção e não parava diante de nenhum limite”, recorda. “Hoje em dia existe sempre o perigo de se tropeçar no politicamente correto, sob pena de ser banido e degredado pelas patrulhas das redes sociais, cujas condenações são para todo o sempre. Sinto saudades também do frescor do meu trabalho, coisa que me foi tirada pela experiência”, acrescenta.

Passados 20 anos, o escritor hoje pediria aos diretores da novela para suavizar o sotaque. “Claro, o clima debochado da novela permite isso. Criaturas que falam inglês com sotaque nodestino? Oxente, my God, isso é o must!. Mas hoje ele me parece um tanto anedótico. Na época não senti isso”, reflete. “Sinto que a novela seria ainda melhor se já estivesse à disposição naquela época todo o arsenal de truques digitais que podemos usar atualmente”, completa. Curiosamente, Aguinaldo não gosta da abertura de "A Indomada": “Por causa da música-tema, aquele maracatu meio arretado e repetitivo. Não gostei e continuo não gostando”, declara.


Eva Wilma, a vilã Altiva de "A Indomada"

Classificação indicativa

Tema que ainda gera polêmica, a classificação indicativa dos programas televisivos é vista de forma pragmática pelo autor. “Não tenho nada contra a classificação por faixa etária. Acho, sim, que certas coisas não devem ser vistas pelas crianças. Mas também acho que, às vezes, as pessoas encarregadas de decidir que faixa etária é o limite para uma determinada novela, bem... elas exageram”, pondera.

Em 2017, “Senhora do Destino” sofreu diversos cortes para poder se adequar à classificação de imprópria para menores de 10 anos. Mesmo com a Globo sumindo com tramas paralelas inteiras, se comprometendo a retirar “assuntos mais sérios e profundos” em um dos ofícios endereçados ao Ministério da Justiça, a trama foi advertida diversas vezes. “Mas não me queixo. Apenas fico triste, como aconteceu, por exemplo, quando tive que acabar com a pole dance de Flávia Alessandra em ‘Duas Caras’, porque ela estava linda”, finaliza.



publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!