Reportar erro
Reprise no Viva

Glória Perez acredita que houve má vontade com Ricardo Macchi em "Explode Coração"

Em balanço sobre a novela, autora relembra bastidores: "os anos não lhe tiraram a força"

explodecoracao(2)_0252351b6524828de8a790eceaa7ab949d84500c.jpeg
Divulgação
Redação NT

Publicado em 27/07/2018 às 06:00:00

A reprise da novela “Explode Coração” termina nesta sexta-feira (27) no Canal Viva. Escrita por Glória Perez, a trama pôs em discussão diversos temas, como ascensão da internet, desaparecimento de crianças, respeito à diversidade e cultura cigana. Entretanto, até hoje se mantém no imaginário popular o personagem Igor, vivido por Ricardo Macchi. O ator, então estreante na dramaturgia, foi massacrado por críticas a sua atuação.

A autora acredita que houve certa má vontade dos críticos. “Penso que o bombardeio aconteceu mais em consequência do sucesso da trama do que propriamente da inexperiência dele. Ricardo fez outras novelas depois e não aconteceu o mesmo bombardeio”, opina Glória em conversa com o NaTelinha. “Ele era novato. Foi uma escolha do Paulo Ubiratan (diretor de núcleo), que prometeu uma preparação intensiva que acabou não acontecendo. De todo modo, o cigano Igor brilhou na trama, a ponto de muita gente reclamar por ele não ter ficado com Dara”, complementa.

“Explode Coração” foi exibida originalmente na faixa das 21h (ou 20h30, à época), entre novembro de 1995 e maio de 1996. Analisando a trama 22 anos depois, o balanço é positivo para a roteirista. Especialmente pela campanha social sobre crianças desaparecidas, através de Gugu (Luiz Cláudio Júnior), filho de Odaísa (Isadora Ribeiro) raptado por Geraldo (Gracindo Júnior), ex-namorado que tentou vendê-lo a um casal estrangeiro: “A campanha resultou no reencontro de muitas famílias com seus filhos perdidos”.

Misturando ficção com realidade, Odaísa se juntou ao coletivo “Mães da Cinelândia”, que abria espaço para depoimentos reais, com a jornalista Yone (Deborah Evelyn) entrevistando mães desesperadas. A emissora aproveitou para colocar no encerramento dos capítulos fotos de crianças desaparecidas, ajudando a localizar mais de 100 sumidos.

Internet, trans e ciganos

Glória Perez relembra outros pontos fortes: “Conseguimos popularizar a ideia da internet, que ainda era desconhecida para o grande público, falando das maneiras novas de fazer amigos e se apaixonar que a rede de computadores introduzia no nosso cotidiano, mostramos tipos que só mais tarde se delineariam - como os hackers -; tínhamos também a questão trans, com Sarita Vitti (Floriano Peixoto); e o conflito entre o tradicional e a modernidade, através dos ciganos”, rememora.

“Foi uma novela feliz. A gente se emociona revendo os atores, lembrando os bastidores, e constatando que os anos não lhe tiraram a força: continua atual, falando de sentimentos humanos, diversidade, intolerância, crianças desaparecidas e conquistas tecnológicas”, conclui.

Glória Perez acredita que houve má vontade com Ricardo Macchi em \"Explode Coração\"

Mais curta

“Explode Coração” teve 155 capítulos, algo raro para os padrões do horário. “Só aceitei fazer sob essa condição, pois estava marcado para aquele ano o julgamento dos assassinos de Daniella (filha de Glória, assassinada em 1992)”, explica.

Originalmente, a substituta de “A Próxima Vítima” era “O Rei do Gado”, de Benedito Ruy Barbosa, adiada por a direção da Globo não querer ter duas novelas seguidas com núcleo de italianos. Como Benedito não abriu mão de seus personagens, Glória foi escalada para resolver o impasse.