Reportar erro
Sexta-feira

Tribalistas fazem presença rara na TV em especial do "Conversa com Bial"

tribalistas-conversacombial-17082018(2)_c30544681e04e37c33e088fad8e05daeeca5b5f2.jpeg
Divulgação/TV Globo
Redação NT

Publicado em 16/08/2018 às 19:25:29

Lançado em 2002 e de volta 15 anos depois, com dois álbuns produzidos, os Tribalistas são os convidados especiais do "Conversa com Bial" de sexta-feira (17). Na ocasião, Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown fazem uma aparição rara na TV.

Essa união nasceu pela miscigenação de origens, referências, gostos e experiências e rendeu mais de 50 canções compostas. A cumplicidade entre eles é traduzida em forma de música, pelo cuidado com que se tratam e com a mensagem que querem levantar por meio desse projeto.

“Acho que o que a gente traz é uma energia muito positiva, tem esse sincretismo com uma mensagem em si pela nossa própria convivência. Temos canções que falam disso explicitamente”, explica Arnaldo, engatando as notas de “Um Só”. “Nós estamos falando de tolerância, do coletivo, de reconhecer a diferença como riqueza. É interessante ver que somos ‘todos’, a gente vai ter que se entender”, completa Marisa, lembrando de “Diáspora”, música do novo álbum e que trata da questão dos refugiados.

Tribalistas fazem presença rara na TV em especial do \"Conversa com Bial\"

Observando essa união como admirador, Pedro Bial analisa aquilo que vê: “Existe, entre eles, uma visível transmissão de afeto e isso transborda do palco para a plateia. A mensagem política dos Tribalistas é a alegria e o Brasil é um país com vocação alegre, feliz. Mas, agora, a gente está ficando com uma cara feia. Que eles sejam a nossa reserva de alegria”.

Tantos anos se passaram entre o primeiro e o segundo trabalho; dessa forma, o modo como se faz e se consome música também teve um grande salto. A despeito dessas novas formas, eles preservam o momento de gravação das músicas como um “processo artesanal”. “No nosso processo, fazíamos uma música por dia. Começávamos depois do almoço e íamos até as 3h da manhã gravando. Estava todo mundo presencial, disponível para a música”, conta Marisa.

Antes, vem a fase de criação, que acontece de maneira espontânea quando estão juntos. “Quando a gente se encontra, cada um leva os seus escritos e a gente vai mostrando, se juntando. Nós três fazemos letra e música”, revela a carioca. “Nossa explosão é quando se termina uma música, e nossa intimidade nos permite reconhecer o que o outro acha”, acrescenta Brown.

Tribalistas fazem presença rara na TV em especial do \"Conversa com Bial\"

No "Conversa com Bial", os Tribalistas cantam “Carnavália”, “Diáspora”, “Passe em casa” e “Velha infância”.

O programa vai ao ar logo após o "Jornal da Globo".

Mais Notícias