Memórias da Telinha

Em 1998, SBT, Globo e Band se uniram para impedir que Record TV transmitisse a Copa

Memórias da Telinha relembra disputa pelos direitos do Mundial em 1998, na França

Em 1998, França foi campeã derrotando o Brasil na final por 3 a 0

Publicado em 15/06/2018 às 10:24:54

Por: Sandro Nascimento

Em 1998, contrariando os interesses da Globo, SBT, Band e Manchete, a Record TV só transmitiu os jogos da Copa do Mundo na França após vencer uma batalha judicial um mês antes de iniciar as partidas.

A emissora quase perdeu o direito de exibir as partidas do Mundial, após deixar de pagar a anuidade à OTI (Organização da Televisão Ibero-Americana), entidade sem fins lucrativos que detinha os direitos de transmissão para três Copas, entre 90 e 98, que foram adquiridos em 1987 com a ISL (International Sports Leisure).

Entre as décadas de 70 e 90, a OTI repassava através de um rateio de cotas, os direitos da competição da FIFA às emissoras latino-americanos filiadas. No Brasil, a Record era sócia da OTI, junto com a Globo, SBT, Band e Manchete. Porém, como estava sendo vendida para a Igreja Universal durante a transição do negócio, deixou de quitar duas anuidades, entre os anos de 90 e 91. Dívida que naquele ano girava em torno de 50 mil dólares, segundo reportagem da Folha de S. Paulo na época.

Quando estava com seu financeiro recuperado, em 1992, a diretoria da Record TV quitou sua dívida com a OTI e exigiu seu direito de transmissão do Mundial na França. Mas tendo como justificativa os atrasos na anuidade, Globo, SBT, Band e Manchete exigiram que a organização vetasse o canal de exibir a Copa de 98.

Sem saída, em março de 1997, a Record TV precisou recorrer à Justiça para assegurar seus direitos. O resultado veio no ano seguinte: o Tribunal de Justiça de São Paulo tomou decisão favorável à emissora de Edir Macedo. Em maio daquele ano, um mês antes de começar o Mundial na França, a Justiça mexicana respaldou o tribunal brasileiro. A OTI é sediada no México.

Com todos esse contratempos, e com apenas um mês para negociar com o mercado, a Record TV precisou reduzir os valores de suas cotas de patrocínio em torno de 60% para viabilizar o evento.

Porém, ainda existia um entrave. Para possuir o direitos de transmitir a Copa de 98, além da anuidade, cada emissora brasileira precisava pagar US$ 1,5 milhão à Organização da Televisão Ibero-Americana. Mas para garantir a saída da Record TV do evento, as quatro emissoras dividiram entre elas a parte designada ao canal da Igreja Universal, que, por sua vez, teve como solução pagar sua parte da cota em juízo.

A Copa de 1998 foi o última com esse modelo de dividir os direitos de transmissão entre as cinco emissoras brasileiras via OTI.

No fim daquele ano, com a respaldo da FIFA, a Globo assinou um contrato milionário direto com a ISL, empresa de marketing esportivo, pela exclusividade dos Mundiais de 2002 e 2006 para TV aberta, rádio, TV fechada e internet. Nos anos seguintes, o acordo foi renovado e a emissora sublicencia os direitos para outros canais interessados.



publicidade

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!