Tchaka tchaka na mutchaka

Além de 365 DNI: Confira sete filmes com sexo na Netflix

A Netflix tem um longo acervo de filmes com cenas de sexo

Além de 365 DNI: Confira sete filmes com sexo na Netflix
Cena do filme 365 DNI: filme polonês ainda dá o que falar - Reprodução/Netflix

Publicado em 20/06/2020 às 11:01:00

Por: Thiago Forato

Se você é um daqueles que colocou o filme polonês 365 DNI, da Netflix, no topo da lista de mais assistido desta última semana, fique sabendo que ele é um dos vários que o serviço por streaming tem em seu catálogo regado a muito sexo.

365 DNI vem sendo um dos grandes sucessos da plataforma, contando a história de uma empresária, Laura (Ana Maria Sieklucka), que é sequestrada por um chefe da máfia italiana, Massimo (Michele Morrone), e tem o prazo de um ano para se apaixonar por ele. E em bem menos tempo, acaba criando grande empatia pelo seu sequestrador e até um laço maior. Sem spoiler...

Pensando nisso, o NaTelinha lista outros sete filmes pra você que curtiu a trama polonesa e quer outras que tenham o sexo como ingrediente.

Confira:

Ponte Aérea

Filme brasileiro produzido em 2015 e protagonizado por Letícia Colin e Caio Blat, Ponte Aérea conta a história de dois jovens que se apaixonam, mas tem um impeditivo: a distância. Os dois passam a se relacionar entre o Rio de Janeiro e São Paulo, se apaixonando perdidamente.

Ela, uma jovem bem-sucedida, e ele, um artista plástico. O casal acaba se dividindo entre as duas capitais e protagonizam cenas pra lá de "calientes".

Clímax

Filmes francês de 2018, a história narra um grupo de dançarinos franceses dos anos 90, que se reúne em um internato isolado para ensaiar os passos de uma importante apresentação.

À noite, durante uma festa, os dançarinos chegam à conclusão que alguém misturou LSD no drink que todos estão bebendo. E é a partir daí que sob o efeito da droga, os jovens se perdem em meio a paranoia e psicose, com paixões, desejos, e claro, sexo.

Carol

Romance produzido nos Estados Unidos e Reino Unido, Carol, foi um sucesso no Festival de Cannes em 2015 e concorreu à Palma de Ouro, sendo premiado. Ele recebeu também seis indicações ao Oscar e foi eleito pelo American Film Institute como um dos 10 melhores filmes do ano.

Na cidade de Nova Iorque dos anos 50, Carol (Cate Blanchett) é uma mulher elegante e com personalidade forte que está passando por um turbulento processo de divórcio. O casamento entre eles era sustentado apenas para manter uma sociedade exigente.

No entanto, a protagonista se interessa por uma mulher. E a recíproca é verdadeira. Elas se tornam cada vez mais próximas e o marido ameaça tirar a guarda da filha da esposa, mas enquanto esse processo se arrasta, o filme conta com uma dose de nitroglicerina nas cenas...

Newness

Os protagonistas Martin e Gabi buscam novas formas de se relacionar, mas sem abrir dos seus desejos individuais. Eles se conhecem através de um aplicativo de namoro, o Winx (fictício) e acabam se apaixonando perdidamente, mas logo as tentações do mundo moderno abalam a relação.

A modernidade abre o relacionamento entre eles, que tentam viver novas experiências amorosas juntos. Com uma abordagem direta e franca sobre sexualidade, o sexo entre eles passa pela tentativa de manter a chamada do tesão acesa com striptease, sexo à três, exibicionismo, dentre outras coisas mais.

E claro, todas as cenas são muito bem mostradas. Sexo é o que não falta em Newness.

Branquinha

A clássica história do amor proibido. Desta vez, entre uma jovem branca de classe média e um traficante preso em Nova Iorque, num verão estadunidense bastante rigoroso...

Leah faz de tudo para tirar seu namorado da cadeia.Bastante elogiada pela fluidez narrativa, Branquinha ainda mostra cenas de sexo pra lá de reais. 

Duck Better

Cansadas das mentiras e traições de seus maridos, duas mulheres resolvem passar 24 horas juntas tentando o que há de melhor nas suas intimidades. Sexo não falta.

Protagonizado por Alia Shawkat (Arrested Development), Duck Better é também um filme de descoberta. Descobertas de suas sexualidades enquanto tentam entender a própria personalidade.

Amar

Laura (María Pedraza) e Carlos (Pol Monen) têm apenas 17  e 18 anos, respectivamente, e se desejam muito, com a intensidade do primeiro amor. Para eles, amar é a única coisa importante, é o que preenche suas vidas. Eles se amam com tanta intensidade que é uma relação quase doentia, fazendo com que lidem com ciúmes e inseguranças, mostrando um outro lado do sentimento.

O casal consegue vivenciar tanto a intensidade como a fragilidade desse primeiro amor, e veem suas realidades abaladas com as noções idealizadas do romantismo.

 

 

 

 


Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!