Reportar erro
Sequestro na Globo

PM que acabou com sequestro não confirma falha de segurança na Globo

Coronel foi entrevistado pelo A Tarde É Sua

PM que acabou com sequestro não confirma falha de segurança na Globo
PM que conduziu fim do sequestro, não quis confirmar possível falha na segurança de sede da Globo - Foto: Divulgação

Redação NT

Publicado em 12/06/2020 às 16:29:10

O coronel do 23º Batalhão Polícia Militar, Heitor Henrique Pereira, entrou ao vivo nesta sexta-feira (12) no A Tarde É Sua, da RedeTV! para falar sobre como conduziu as negociações do sequestro da repórter Marina Araújo na sede da Globo no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. O PM não confirmou falha na segurança no prédio da empresa.

O coronel explicou que ao chegar ao local, tomou as primeiras providências. “Fiz a identificação de personagens e uma negociação preliminar. Diante do avanço das negociações, a gente foi dando sequência. A Marina Araújo facilitou bastante devido à tranquilidade dela”, comentou se referindo à repórter que foi mantida de refém.

Questionado sobre o fato de se houve quebra de segurança da Globo o Coronel colocou panos quentes na história. “O que eu tenho conhecimento, a gente não chegou a iniciar as imagens a posterior aos fatos”, contou.

Mas ele explicou como ocorreu o sequestro. “A Marina Araújo vinha entrando na emissora e ele a usou como passaporte, usou o crachá dela para a entrada. Quando ele chegou na catraca de segurança, ele pegou a primeira pessoa que estava presente ali, que foi a Marina e a pegou de refém”, encerrou.

Sequestro na Globo

Renata Vasconcellos, jornalista que o criminoso queria conhecer, o coronel Heitor foi muito incisivo. “A Renata Vasconcellos foi fundamental para as negociações. Essa credibilidade que me foi dada pela Renata e pela emissora facilitou muito meu trabalho. Mas o policial também lembrou que a jornalista estava com medo de participar das negociações. “A Renata se predispôs a descer, claro que relutosa e nervosa, mas ela concordou em descer”, contou, explicando como a convenceu. “A gente a convenceu que a vida dela e a integridade física dela não estaria em risco em momento algum”.

Ele explicou como foi o desfecho da história. “A partir do momento que ele viu a Renata Vasconcellos, ele se tranquilizou, eu determinei que ele soltasse a faca e a Marina e ele obedeceu. Eu fui até ele, fiz a revista e verifiquei que ele não estava armado. Eu disse a ele que teria que algema-lo e ele aceitou com tranquilidade, sem resistência”, narrou.

Homem queria Renata Vasconcellos

O policial deixou claro que o homem sempre quis ver Renata Vasconcellos, mas que a situação estava delicada no início. “Ele estava com uma faca no pescoço da Marina Araújo e estava bem nervoso, conforme a gente foi falando com ele eu senti que ele foi se acalmando e eu senti que podia dar início às negociações”, cravou.

“O que dificultou um pouco foi que o Thomás exigiu que ele fosse filmado e passasse ao vivo o fato. Eu pedi que fosse colocado um monitor para que ele tivesse a sensação de que estava passando ao vivo. A partir dessas exigências que foram cumpridas, ele foi se acalmando e eu vi que poderia avançar”, lembrou.

Mais Notícias