"Pecado Mortal": A briga entre bicheiros e traficantes no Rio dos anos 70

Onde o sobrenome torna-se muito importante no mundo do crime

Sônia Lima / Divulgação

Publicado em 24/09/2013 às 15:17:31

Por: Diogo Mendes Rodrigues

O Rio de Janeiro dos anos 70. Esse é o pano de fundo da primeira novela de Carlos Lombardi na TV Record. O folhetim mostrará como o consumo de drogas se alastrou pela sociedade, alterando a estrutura do poder do crime. Se antes quem mandava no pedaço eram os famosos chefões do jogo do bicho, a partir daquele momento, os traficantes passavam a dividir o status de reis do crime.

Paralelamente a isso, itens como as calças bocas de sino, os bigodes e cavanhaques, as roupas coloridas e os cabelos black power ditavam a moda. E a sociedade carioca passou a viver a época do sexo fácil, com transas de uma noite só e a virgindade tornando-se cada vez menos um tabu. Tudo isso poucos anos antes da descoberta da AIDS, que acabaria com a alegria de muitos.

Nesse cenário, pessoas continuavam se casando, tendo filhos, adquirindo dívidas e constituindo famílias. E algumas dessas famílias viraram sinônimo de riqueza e poder. O sobrenome passou a tornar-se muito importante, principalmente dentro do mundo do crime.


    
Ficha técnica

Escrita por Carlos Lombardi
Direção geral de Alexandre Avancini
Estreia: 25/09
Horário: 22h30
Antecessora: “Dona Xepa”, de Gustavo Reiz

Elenco

Luiz Guilherme e Henrique Guimarães – Michele Vêneto
Jussara Freire e Maytê Piragibe – Donana (Ana Vêneto)
Betty Lago e Marcela Barrozo – Stella Nolasco

Aline Borges – Joana da Costa
André Luiz Miranda – Djalma
André Ramiro – Jeferson Carneiro (Mineral)
Andréa Avancini – Fernanda
Bernardo Velasco – Romeu
Bianca Byington – Ilana Vergueiro
Carla Cabral – Laura Escobar
Carlos Bonow – Marcelo Firenze (Starsky)
Cláudio Gabriel – Júnior
Cláudio Heinrich – Paulo Noronha
Daniel Del Sarto – Adriano D’Ângelo (Anjo)
Daniela Galli – Catarina Ashcar
Denise Del Vecchio – Doutora Das Dores
Eduardo Lago – José Vergueiro
Fabio Villa Verde – Jurandir Carvalho
Felipe Cardoso – Otávio Vêneto
Fernando Pavão – Carlão
Gabriela Moreyra – Antônia
Gero Pestalozzi – Bernard Avelar
Gracindo Jr. – Cebolão
Guilherme Winter – Veludo
Gustavo Machado – Danilo Ashcar
Heitor Martinez – Tadeu Wernek (Van Gogh)
Henrique Guimarães – Juliano Vêneto
Iran Malfitano – Pedro Noronha
Juliana Didone – Leila Vergueiro e Maria Clara Vergueiro
Laíze Câmara – Lili
Livia Rossy – Bruna
Lua Blanco – Silvia de Almeida
Luciana Braga – Rosa
Luis Augusto Formal – Guilherme Escobar
Luiz Felipe Mello – Rodolfo
Marcos Pitombo – Ramiro Rodrigues
Mariah Rocha – Helena
Mário Gomes e Gustavo Leão – Getúlio Amado
Mel Lisboa – Marcinha Figueiredo
Miguel Nader – José Maria (Caravaggio)
Nanda Ziegler – Xuxu
Paloma Duarte – Dorotéia
Pietra Goa – Rafaela
Rafael Sardão – Baldochi
Renato Livera – Reginaldo Soares (Monet)
Ricardo Duque – Laerte
Ricardo Petraglia – Omar
Ricardo Vandré – Horário Carvalho (Vegetal)
Roberta Santiago – Urana Torres
Simone Spoladore – Patrícia Salgado
Sônia Lima – Norma Shirley de Almeida
Tarciana Saad – Teresa
Tatyane Goulart – Lívia Vêneto
Vitor Hugo – Vinícius Vieira (delegado Picasso)

Triângulo amoroso

A família Vêneto começa a se estabelecer no Brasil, a partir da vinda de Michele Vêneto (Henrique Guimarães e Luiz Guilherme), que veio para o Brasil fugindo de problemas com a polícia na Europa. Nessa época, o subúrbio carioca era dominado pelos bicheiros. Apaixonado pelas mulatas cariocas, Michele acabou tornando-se chefe de segurança do bicheiro Cebolão (Gracindo Jr.). Ele herdou o posto com a ajuda de sua esposa Donana (Maytê Piragibe/Jussara Freire), uma mulher que para alcançar suas metas é capaz de passar por cima de tudo.

A relação do casal parece ser a melhor possível, no entanto, começa a mudar quando Donana perde o filho que espera. Para piorar, ela descobre que Michele tem uma amante, Stella (Marcela Barrozo e Betty Lago), que também está grávida dele. O que Michele não faz ideia é de que, na verdade, o bebê será seu segundo filho com a amante. Temendo a violência dos bicheiros, Stella fez de tudo para esconder o filho de dois anos, Otávio (Felipe Cardoso).



Com medo de ver o casamento ruir, Donana esconde do marido que perdeu a criança e ameaça a rival. Ela convence Stella de que a única forma de seu filho sobreviver é de que o bebê seja criado por ela e seu marido. Paralelamente a isso, em 1941, após a morte do bicheiro Cebolão, Michele torna-se o grande nome do Morro do Pinguim. Assustada e temendo a própria vida, Stella entrega o recém-nascido Marco Antônio, juntamente com Otávio, para a rival criar.

Com o objetivo de enganar o marido e Stella, Donana vai para o interior, fingindo que teria o bebê na casa de parentes. Quanto retorna à capital, consegue convencê-la de que Marco Antônio é o filho legítimo dela com Michele e que Otávio era um menino abandonado no morro, que ela resolveu pegar para criar. Para evitar que sua mentira fosse revelada, ela pede a seu irmão Getúlio (Gustavo Leão e Mário Gomes), que dê um fim na vida de Stella.

Os filhos

O segredo de Donana seria mantido até 1977, quando ela e Michele completaram 38 anos de casados. Ao invés de dois, eles passaram a ter quatro filhos: Otávio, que acredita ser adotivo, Marco Antônio, além dos legítimos do casal, Juliano (Henrique Guimarães) e Lívia (Tatyane Goulart). Todos moram na mesma casa, com exceção de Marco Antônio, que fugiu por não concordar com a vida de crimes da família.

Já Otávio faz de tudo para ser o maior aliado do pai no mundo da contravenção. No entanto, vive infeliz ao lado da esposa Catarina (Daniela Galli), sobrinha do grande rival de Michele, o bicheiro Omar Ashcar (Ricardo Petraglia). Na verdade, Otávio está interessado pela nova moradora do morro, Laura (Carla Cabral). Com tantos problemas, Otávio não suporta a pressão e acaba agredindo a esposa Catarina, acirrando ainda mais os ânimos entre os Vêneto e Ashcar.

Duas famílias com problemas

Não são apenas os Vêneto que enfrentam problemas. Na família rival, Danilo Ashcar (Gustavo Machado) precisa arrumar uma solução. A mulher de seu tio Omar, Lili (Laíze Câmara), uma passista que deu o golpe na família, quer tirar tudo que Danilo conquistou durante a vida.

A maior preocupação das duas famílias é o equilíbrio de forças entre elas. No entanto, os Vêneto sofrerão um golpe difícil de ser superado por Michele e Donana. Stella, que para muitos estava morta, reaparece em cena. Ao contrário do passado, agora ela é uma mulher forte, rica e que fará de tudo para recuperar seus filhos de volta.



A volta de Stella

Durante o período em que foi dada como morta, Stella estudou e tornou-se uma modelo bem sucedida. Além disso, ficou viúva de um dono de cartório, que deixou uma herança satisfatória. Stella volta para o Rio com uma meta: fazer com que seus filhos descubram a verdade e construa algum tipo de relação com ela. Porém, para isso precisará enfrentar Donana.

A esposa de Michele tenta matá-la pela segunda vez, mas acaba desistindo do plano e cria uma armadilha para a rival. Ela tenta convencê-la de que Marco Antônio está morto. Quando Stella obriga Donana a apresentá-la para seu filho mais velho, Otávio a rejeita. Arrasada, Stella se desespera e teme nunca conquistar o amor de seus filhos.

A guerra esquenta

A disputa entre as famílias Vêneto e Ashcar nunca foi tão quente como nos anos 70. Se no passado a disputa entre Michele e Omar era silenciosa e velada, os herdeiros Otávio e Danilo não pensam do mesmo jeito, afinal, além do jogo do bicho, o tráfico de drogas também passa a ser alvo de disputa.

Para defenderem seus impérios do pó, os dois rivais passam a manipular políticos, comprar testemunhas e policiais e a defender seus territórios com armamento pesado. No jogo do bicho, Michele era o maior nome do Rio de Janeiro. Já no mundo das drogas, a família Ashcar não quer ficar para trás. Para isso, tenta abocanhar alguns territórios dos rivais.

Enquanto o poder dos Ashcar cresce, Michele foca em apenas um objetivo: ir atrás de Ricardo Rocha, a quem jurou de morte. O inimigo número 1 de Michele o delatou à justiça, fornecendo provas que levou a Promotoria Pública do Rio a abrir um grande processo contra sua família. Fragilizado nos negócios, Michele fica cada vez mais sensível aos ataques da família Ashcar e passa a acreditar que encontrar Ricardo Rocha é a maneira mais eficaz de estancar o problema com a justiça.

No meio do furacão



Em meio aos problemas judiciais da família Vêneto, está Patrícia (Simone Spoladore), uma jovem promotora de justiça, responsável por analisar o caso. Ela também está montando um grande processo contra os Ashcar. A moça divide a dura rotina de trabalho com o dia a dia em casa. Ela é casada com Carlão (Fernando Pavão).

Enquanto Patrícia é respeitada em sua profissão e leva uma vida formal, Carlão é hippie e mantém sozinho uma escola para crianças, onde atua como professor, pedreiro, mecânico e até motorista. Cabeludo e com uma aparência um pouco diferente do normal, o rapaz sofre com o preconceito. Porém, supera as dificuldades e torna-se a figura mais popular das praias de Ipanema e Leblon.

Tarado do Jardim de Infância?

A vida do casal parecia perfeita, até que Carlão é acusado de abusar de um aluno em sua escolinha. A partir de então, sua vida se transforma e ele torna-se um grande vilão, passando a ser conhecido no Rio de Janeiro como o Tarado do Jardim de Infância.

Na verdade, Carlão foi vítima de uma armação, que só foi descoberta pelo casal certo tempo depois. As fotos usadas como prova contra ele foram feitas no dia em que o estabelecimento de ensino foi assaltado. Enquanto ele corria atrás dos criminosos, alguém entrou na escola e forjou as fotos comprometedoras.

Para complicar ainda mais a vida do rapaz, ele guarda um segredo: sua identidade é falsa. Ele mudou de vida para esconder seu passado, inclusive da própria esposa. O que poucos sabem é que, anos atrás, ele se envolveu com Dorotéia Ashcar (Paloma Duarte), irmã de Danilo e a mais fria e calculista da família. Com o tempo, cada vez fica mais claro que a vilã Dorotéia tem ligação com tudo que está ocorrendo na vida de Carlão.

A partir daí, perguntas intrigarão os telespectadores. Será que Dorotéia está se vingando do rapaz por causa de uma paixão não correspondida? Será que os Ashcar o escolheram para prejudicar a esposa dele, Patrícia, que resolveu investigar os negócios ilícitos da família? Ou, quem sabe ainda, ele é Ricardo Rocha, o homem que está sendo caçado por Michele e que sabe todos os podres dos Vêneto?

E o que já está complicado, pode ainda piorar. O responsável por investigar o suposto abuso de crianças é o corrupto detetive Picasso (Vitor Hugo).



Acima da lei

Picasso é líder de uma equipe de detetives conhecida como “Artistas da Polícia”. Com ele, trabalham Van Gogh (Heitor Martinez), Monet (Renato Livera) e Caravaggio (Miguel Nader). Famoso e bastante requisitado pelas emissoras de TV, Picasso leva a fama de melhor policial do Rio de Janeiro. O que ele esconde de todos é que ele transita entre a legalidade e a ilegalidade. Porém, após algumas mancadas, a corregedora Das Dores (Denise Del Vecchio) passa a ficar de olho no trabalho dos rapazes.

A conduta de Picasso na investigação do caso do “Tarado do Jardim de Infância” deixa suspeitas. Afinal, aparece uma estranha ligação entre ele e o perigoso Veludo (Guilherme Winter), um empregado da família Ashcar. Além deles, seus colegas de investigação também possuem posturas impróprias, que irão ser descobertas ao longo da trama.

Já a corregedora Das Dores, além de precisar monitorar as ações dos investigadores da polícia, enfrenta problemas na família. Seus sobrinhos golpistas, Pedro (Iran Malfitano) e Paulo (Cláudio Heinrich), chegam de Minas Gerais para aplicar golpes na Cidade Maravilhosa. Em pouco tempo, a dupla vira dona de um dos locais mais agitados do Rio de Janeiro, a discoteca Stars Like Dust. É lá que as vidas de vários personagens da novela se cruzarão.

O autor

“Pecado Mortal” marca a estreia do experiente novelista Carlos Lombardi na Rede Record. O autor marcou época na Globo na faixa das 19h nos anos 80 e 90. Lombardi é formado em Rádio e TV pela USP. Ingressou na televisão escrevendo, ao lado de Edy Lima e Ney Marcondes, a novela “Como Salvar Meu Casamento” para a TV Tupi em 1979.

Após rápidas passagens pela Band e TV Cultura, estreou na Globo como colaborador de Silvio de Abreu em “Jogo da Vida” no ano de 1981. Posteriormente, colaborou nos textos das novelas “Elas por Elas” e “Guerra dos Sexos”. Sua primeira trama como autor principal foi “Vereda Tropical”. Desde então, emplacou vários sucessos na faixa das 19h, como “Bebê a Bordo”, “Quatro por Quatro” e “Uga Uga”.

Porém, os bons números não se repetiram em suas últimas tramas na faixa. “Kubanacan” e “Pé na Jaca” não fizeram o mesmo sucesso de suas antecessoras e acabaram levando Lombardi a perder espaço na Globo. Nos últimos anos, escreveu apenas alguns capítulos de “Caminho das Índias” e colaborou com o texto do seriado “A Vida Alheia”. Com isso, o novelista cedeu ao convite da Record e assinou com a emissora em setembro de 2012. “Pecado Mortal” será a primeira novela do autor em uma faixa mais nobre da TV.

Anote na agenda

“Pecado Mortal” estreia nesta quarta (25), às 22h30.



COMENTÁRIOS