Reportar erro
Polêmica

YouTubers respondem reportagem de Roberto Cabrini no SBT: "Sensacionalista"

Documentário “Jogos Mortais” mostrou o perigo de desafios propagados na internet; SBT se pronuncia

materia-conexaoreporter-youtubers-repercussao-26072017 (2)_3130f09df323b76392a64bae24ae8ca0945a8a48.jpeg
Reprodução/YouTube
Redação NT, com Deriky Pereira

Publicado em 26/07/2017 às 16:59:50

No último domingo (23), o “Conexão Repórter”, do SBT, exibiu o documentário “Jogos Mortais”, que falou sobre o perigo de alguns desafios levados ao ar na internet.

O jornalístico de Roberto Cabrini mostrou quatro casos de jovens que imitaram brincadeiras perigosas promovidas no YouTube, como o "desafio da asfixia”, o “jogo do desmaio”, o “desafio do desodorante” e o “truque das mãos de fogo”, que acabaram levando três adolescentes à morte e um menino de 11 anos com 40% de seu corpo queimado.

O jornalista ouviu os youtubers citados na investigação, mas depois da exibição do programa, eles publicaram novos vídeos em seus respectivos canais questionando o teor da edição e se defendendo.

No vídeo com pouco mais de 22 minutos e que já foi visto por mais de um milhão de pessoas, Everson Henrique de Oliveira, o Zoio, se defende, dizendo que não pode ser responsabilizado por algo que não fez. “Não quiseram passar uma imagem boa do que eu faço, sendo que sempre penso antes de fazer. Mas eles não quiseram colocar, quiseram falar que eu era o ruim e que incentivei a galera a fazer o desafio”, explicou.

O desafio ao que o youtuber se refere é o "Desafio da Mão de Fogo", que quase levou uma criança de 11 anos à morte. No “Conexão Repórter”, o garoto foi mostrado com várias queimaduras pelo corpo após fazer o desafio que deu errado. No vídeo publicado em seu canal, porém, Zoio se defende questionando a edição do jornalístico: “O garoto falou meu nome, mas não relacionado a essa brincadeira. O menino falou que eu não fiz, mas eles não colocaram na TV porque querem me ferrar”.

Everson Henrique reforçou que utiliza seu canal para fazer desafios propostos por internautas. “Ele perguntou sobre as 'chamadas brincadeiras perigosas'... Ele quis dizer que eu tô incentivando outras pessoas a brincar? Jamais, o que eu faço é brincadeira”, salienta o youtuber. Ele reconhece, porém, que faz coisas erradas: “Em todos os desafios eu falo: não façam isso em casa. Eu não incentivo a galera, jamais eu faria isso, estaria muito errado – mais do que já estou, porque fazer o que eu faço já é errado”.

YouTubers respondem reportagem de Roberto Cabrini no SBT: \"Sensacionalista\"

Ainda na publicação, o youtuber afirmou que não vai mais fazer vídeos de desafios considerados mais graves. “Já chegou no meu limite, não vai haver mais desafios perigosos, arrancar um dente com um alicate, por exemplo, parou por ali, não tem mais o que fazer”, concluiu. Assista ao vídeo completo aqui. 

Outro entrevistado por Roberto Cabrini, o youtuber Rody Dio, do La Fênix, também fez um vídeo para seu canal. Ele elogiou o fato de uma reportagem como essa ser levada ao ar pelo fato de alertar aos pais sobre o que os filhos assistem na internet, mas achou o conteúdo tendencioso. “Acho legal a matéria falar sobre isso, alertar, mas também acho que foi um pouco sensacionalista. O La Fênix tem a plena noção de que, como criador de conteúdo, incentiva a quem assiste. Por isso, a gente bota aviso, mostra as consequências”, explicou.

Ele disse que os vídeos passaram a conter mais avisos de prevenção a quem assiste após a reclamação de uma mãe sobre o desafio do aerosol. “Eu sou pai, tenho dois filhos, sei muito bem a minha preocupação”, completou. O youtuber destacou ainda que, por conta de vídeos publicados no canal, já recebeu mensagens de pessoas que pensavam em se matar, mas que não o fizeram. “O papel do La Fênix é entreter, criar conteúdo alegre. Muita gente já veio falar conosco de que saiu da depressão vendo nossos vídeos, então, você acha que eu tenho algum motivo de incentivar alguém a se matar?”, questionou.

O youtuber ainda mandou um recado para os pais que assistem ao canal com os filhos e para aqueles que os deixam ver sem saber do que se trata: “Pais, orientem, acompanhem, não joguem a culpa pra gente. Nosso papel é alegrar a vida de vocês, divertir essa vida que é muito séria. A matéria foi legal pra alertar, mas um pouco sensacionalista”, encerrou. Veja o vídeo completo aqui. 

Procurado pelo NaTelinha, a assessoria de comunicação do SBT emitiu a seguinte nota: "O Conexão Repórter esclarece que todos os pontos importantes de todas as entrevistas foram veiculados. O programa tem arquivada a íntegra dos depoimentos e recebeu milhares de agradecimentos pelo esclarecimento que trouxe sobre o assunto. Uma investigação do jornalístico constatou, esta semana, após a exibição da primeira reportagem, outras mortes provocadas pelas chamadas brincadeiras perigosas. O objetivo do programa não é o de responsabilizar este ou aquele indivíduo, mas sim o de promover conscientização para um fenômeno extremamente grave. O Conexão Repórter continuará seu trabalho incansável de apuração dos fatos, sempre visando salvar vidas".