Em entrevista, Íris Abravanel fala sobre novelas, Silvio Santos e religião

Divulgação

Publicado em 09/12/2012 às 11:58:52

Por: Redação NT

Autora do sucesso "Carrossel", no SBT, Íris Abravanel concedeu uma entrevista à revista "Isto É" onde falou sobre o marido Silvio Santos, seu trabalho como escritora e sobre religão.
 
Íris passou a escrever novelas já perto dos 60 anos. Ela explica que a vontade surgiu após Silvio Santos reclamar da dificuldade de achar escritores no mercado.
 
"Eu vinha percebendo a dificuldade do Silvio em contratar autores de novelas. Os melhores estavam na Globo ou na Record. E o contrato do SBT com a Televisa (emissora mexicana parceira do SBT) havia terminado. Aí, em um jantar, ele lamentava a dificuldade que vinha enfrentando. E eu disse: ’E se eu escrever?’. Na hora, eu pensava em resolver um problema dele. E acabei ganhando um problemão ! Sofri preconceito no início. Muita gente dizia: ’Ela vai ficar dois meses nessa e não vai aguentar, vai para o shopping’. Mas, como diz o Chaves, ’não contavam com a minha astúcia’", disse a bem-humorada Íris Abravanel.
 
Sobre a religião evangélica, da qual pertence, ela contou que se converteu por causa de um copeiro de sua casa.
 
"Fui convertida pelo copeiro de casa, o José. Ele se alfabetizou pela Bíblia e espalhava versículos pela casa. Eu olhava aquilo e achava legal, mas para o José. Em 8 de outubro de 1998, decepcionada com todas as outras religiões que havia experimentado, pedi para Deus que, se ele existisse, desse uma prova de sua existência. Estava em casa e pedi um café. O José me trouxe e logo foi dizendo: ’Olha, dona Íris, ainda bem que a senhora me chamou. Eu estava lá no seu jardim e o meu Deus mandou eu te dizer que a senhora é muito amada por Jesus’. Comecei a chorar.", disse.
 
Íris também contou que a separação dela e de Silvio em 1990 foi gerada por ciúmes.
 
"Eu me sentia sufocada. Ele era muito ciumento, de controlar passo a passo. Depois desse episódio, ele aprendeu a administrar melhor. Foi uma briga de foice, de gigantes, eu com estilingue e ele com um exército (advogados foram contratados por ambas as partes). Depois que reatamos (permaneceram separados por cerca de seis meses), eu disse a ele: ’Agora, não me separo nunca mais. Você vai ter de me aguentar para o resto da sua vida’", contou.


publicidade

COMENTÁRIOS