Reportar erro
Notícias

Lauro César Muniz admite erro em "Máscaras" e comenta baixa audiência

Redação NT

Publicado em 19/04/2012 às 14:45:25

No ar há pouco mais de uma semana na grade de programação da Record, "Máscaras" já vem passando por problemas de audiência.

A novela de Lauro César Muniz está sucedendo "Vidas em Jogo", que não chegou a ser considerada um grande sucesso mas que vinha mantendo seus números sempre na casa dos dois dígitos e com ampla vantagem sobre a terceira colocada - o que agora não se consegue mais.
 
Com sete capítulos exibidos, "Máscaras" amargou um dígito de média em cinco deles e a terceira colocação em um (na última terça-feira, 17). 

Maria (Miriam Freeland): depressão pós-parto e sequestro da personagem
ocuparam maior parte dos primeiros capítulos da trama
Divulgação/Record


Lauro, que criou a história e que a escreve com Renato Modesto e alguns colaboradores, conversou com o jornalista Daniel Castro e admitiu que errou ao inovar na narrativa escolhida para o folhetim. "Eu radicalizei, adotei uma estrutura de leque (…) Acreditei que a trama forte e instigaste segurasse o telespectador. Houve uma perda de uns 20%. Muito grande", constatou o roteirista.

A estrutura de leque citada por Lauro é vista a partir da apresentação de núcleos, que ocorre de forma gradativa. Os primeiros capítulos focaram na depressão pós-parto e no sequestro de Maria (Miriam Freeland) e no decorrer dos capítulos seguintes que outros núcleos ganharam forma, como o do grupo de amigas, a doença de Sônia (Bruna di Tullio) e o encontro no cruzeiro, que dará partida a toda história.
 


Nameless (Paloma Duarte): personagem tem sete passaportes, três green cards
e esconde mistério quanto a sua verdadeira identidade
Divulgação/Record
 
Outro motivo que Lauro salienta como razão para a queda de "Máscaras" está na ausência de alegria e felicidade: "É uma novela com temas muito fortes: depressão pós-parto (DPP), um sequestro com bebês envolvidos, uma garota morrendo com câncer, uma festa de descasamento. Não acenei para a alegria e a felicidade. Fui radical e estou pagando por isso".

Questionado sobre mudanças, o autor da Record preferiu adotar uma postura cautelosa. "Eu já ultrapassei o capítulo 40. Não vou mexer em nada até aí. Seria desorganizar uma história que está muito bem amarrada", disse.
 
Ele se mostra confiante na recuperação: "A novela vai reagir. Calculo umas duas semanas ainda. Há que fazer alguns acertos (sempre normais) com relação à realização que ainda grava capítulos mais baixos: acelerar o ritmo das cenas, buscar mais dinamismo, cuidar de alguns detalhes no visual".
 

Sônia (Bruna di Tullio): a chamada cantora-careca poucos minutos antes de morrer;
Lauro César Muniz faz auto-crítica à carga dramática e ausência de comédia
Divulgação/Record

Por fim, Lauro César Muniz afirmou que haverá mudanças a partir do capítulo 40 porém não na temática da novela, que continuará sendo policial.
 
As alterações deverão ficar no campo da narrativa: "Estou discutindo com meus companheiros de trabalho um formato ligeiramente mais explícito, para um público menos habituado aos thrillers (histórias policiais). Vou desmascarar alguns personagens mais cedo, esclarecer um pouco mais os enigmas (máscaras), fazer temporariamente um balanço para o telespectador mais passivo. Confio plenamente na percepção da grande maioria do nosso público. Tenho testado, conversado com pessoas mais simples, estão entendendo tudo, estão curiosos, querem saber o desenrolar da trama".