Débora Bloch defende legalização do aborto: "Acredito mesmo"

Atriz não fugiu de dar sua opinião acerca do tema

Débora Bloch defende legalização do aborto:
Débora disse que já "engravidou sem querer" e abortou - Divulgação

Publicado em 07/04/2016 às 10:37:28

Por: Thiago Forato

A atriz Débora Bloch não tem medo de falar o que pensa, nem mesmo quando o assunto é polêmica e trata sobre aborto.
 
Mãe de Júlia e Hugo, ela se posicionou a favor da legalização do abordo em entrevista à revista 29 Horas. "Acredito mesmo que o abordo deve ser legalizado. Não por mim, porque eu faço parte de um grupo de mulheres que se precisar recorrer a isso, vai ter recurso para fazer com segurança. Mas a maioria das mulheres morre fazendo aborto", explica.
 
No entanto, ela explica que não é a favor, e nem faz apologia a isso. "Sou a favor do direito do abordo", pontua ela, reiterando que só se toma essa atitude por falta de escolha.
 
Ela não fugiu dos questionamentos sobre a legalização das drogas e disse que a população está vivendo sob a violência do tráfico. "A fase da Lei Seca nos Estados Unidos, em que o álcool era proibido, levou aos gângsteres, à violência e à contravenção. O mesmo acontece no Rio com as drogas: os traficantes precisam estar armados para poderem fazer os negócios deles. Na hora em que eles precisarem dar nota fiscal e pagar imposto, não precisam de arma". 
 
A defesa de Débora é antiga. No ano passado, ela havia declarado que já realizou um aborto numa entrevista à revista Marie Claire. "Quando tinha uns 20 anos, engravidei sem querer de um namorado e abortei. Meu ginecologista me indicou uma clínica. Não tive nenhum tipo de arrependimento depois... É hipócrita fingir que não existe porque não é legalizado, enquanto mulheres morrem em decorrência de abortos malfeito", disse na ocasião.
 

Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!