Reportar erro
Colunas

Marília Pêra e a importância para as novas gerações

Antenado

db63395f178c66932f5590ad2cd96a94.jpg
Divulgação/TV Globo
Redação NT

Publicado em 05/12/2015 às 17:54:10

Fui pego de surpresa com o falecimento de Marília Pêra, uma das artistas mais completas deste país, na manhã deste sábado (5). Tudo bem que já de algum tempo ela vinha lutando contra um câncer, mas a atriz parecia cada vez mais disposta a viver.

Creio que a minha geração lembre dela não como no filme "Pixote - A Lei do Mais Fraco", onde foi brilhante como a prostituta Sueli, ou como a socialite Rafaela Alvaray em "Brega e Chique". Minha primeira lembrança veio em "Começar de Novo", de 2004.

Apesar de uma novela de texto fraco e história ruim, Marília se sobressaiu como a Vó Doidona, uma senhora maluca mas que fazia a gurizada se divertir. Porém, creio que ela conquistou a todos como a falida Milú de "Cobras e Lagartos". Aquele papel parecia feito especialmente para ela, com o seu humor sarcástico e fino, além das tiradas debochadas e olhares impetuosos. Ali vi o quão Marília Pêra era genial. E o quanto ela era uma atriz com 'A' maiúsculo.

[galeria]
Recentemente, Marília me conquistou como Darlene de "Pé na Cova". A matriarca viciada em álcool numa família totalmente fora da casinha fez jovens rirem e sentarem em frente à TV. O seu ar de doida, mas ao mesmo tempo amorosa com seus filhos fez de Darlene um dos melhores papéis de Marília na carreira. Ela mesmo, em entrevistas recentes, dizia que adorava sair de casa para interpretar a doidona do seriado de Miguel Falabella.

Falabella, inclusive, que foi um grande parceiro de Marília durante toda a sua carreira. Na TV, atuaram juntos em novelas como "Aquele Beijo" e nos seriados escritos por Miguelito: "Toma Lá, Dá Cá", "A Vida Alheia" e no próprio "Pé na Cova". Além de, claro, nos musicais onde ela atuou com o roteiro do ator e escritor por trás. Era uma parceria de longa data, além da visível amizade dos dois.

Marília Pêra merece ser reverenciada como uma grande artista. Uma das maiores de todos os tempos. Por sorte, a minha geração pôde ver isso. A única coisa que me resta, é dizer o seguinte: Obrigado, Marília Pêra!

Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. No NaTelinha, é responsável por reportagens variadas e especiais. Na coluna "Antenado", fala sobre TV por assinatura aos sábados e sobre TV aberta quando a necessidade pedir. Converse com ele. E-mail: gabriel@natelinha.com.br / Twitter: @bielvaquer

Mais Notícias