Reportar erro
Colunas

O triste panorama das tardes de sábado da televisão

Enfoque NT

sabadotardeanalise.jpg
Divulgação/SBT
Thiago Forato

Publicado em 14/12/2014 às 09:45:09

Zapear pelas programações das televisões abertas no sábado é uma verdadeira tortura. O telespectador que não tem um serviço de TV por assinatura e acaba ficando em casa, não encontra nada verdadeiramente interessante neste dia tão morto.

A começar pela Bandeirantes que exibe mais do mesmo e nada diferente do que já transmite durante a semana: o “Sabe ou Não Sabe” e o “Brasil Urgente”. Mesmice e pouco investimento é até compreensível já que essas duas atrações são relativamente bem-sucedidas nos dias úteis.

O “Sábado Total”, da RedeTV!, está no ar desde meados de 2012 e resgata o que consagrou Gilberto Barros na Bandeirantes com o “Sabadaço”, no começo dos anos 2000. Muitos convidados, quadros e empenho da produção em fazer do programa, uma atração verdadeiramente competitiva, mas por estar na emissora que está, acaba ficando difícil operar milagres.

Na Record, o desenho surrado do “Pica-Pau” (que acaba sendo até o melhor que há... que fase), um filme velho no “Cine Aventura” que a fita já deve estar até amarelada mais uma edição do “Cidade Alerta”. Ou seja, mais uma vez nenhum produto verdadeiramente interessante.

O SBT, por sua vez, aposta grande parte da programação no Raul Gil, que não se recicla. Comanda o mesmo programa há décadas e pode fazer com que o telespectador que sofra de insônia, acabe confundindo Raul Gil com Rivotril e pegue no sono. Vez ou outra há alguém interessante no quadro “Elas Querem Saber” mas é muito pouco para uma atração tão longa. A audiência é correspondente e não consegue brigar sequer pela segunda posição. Precisa de ajustes. E faz tempo.


A Globo tem em Luciano Huck a confiança para comandar as tardes de sábado. Aquele mesmo Huck que tirou a liderança de Raul Gil, quando este ainda estava na Record e era primeiro lugar do horário. Demorou dois anos para que isso acontecesse.

Com bastante assistencialismo, fato  que curiosamente ninguém critica (será que é por estar na Globo?), o “Caldeirão do Huck” se consolidou no horário mas está longe de ser um poço de diversão.

Há muitos anos as tardes de sábado não tem uma sacudida e o que se vê é um marasmo absoluto com as mesmíssimas atrações há anos. O melhor programa num sábado à tarde é ler um livro, passear pelo parque ou qualquer outra coisa que passe longe do objeto televisão.
 

Thiago Forato é jornalista, escreve sobre televisão há nove anos e assina a coluna Enfoque NT há três, além de matérias e reportagens especiais no NaTelinha. Converse com ele: thiagoforato@natelinha.com.br  |  Twitter: @Forato_

Mais Notícias