Reportar erro
Colunas

SBT completa 33 anos ainda na briga pela vice-liderança

Enfoque NT

Campanha-SBT-33-anos.jpg
SBT lança campanha para comemorar seus 33 anos - Divulgação
Thiago Forato

Publicado em 19/08/2014 às 19:22:12

O SBT comemora 33 anos nesta terça (19) e já faz aproximadamente oito anos que a disputa com a Record pelo segundo lugar ficou bastante séria e parelha.

De 1981 até 2004, quando a Record propagou o discurso de chegar à liderança (e incomodando o SBT em todos os horários em 2006), a emissora de Silvio Santos detinha o título de “líder absoluto do segundo lugar”.

Tal fato era motivo de orgulho. Afinal, a antiga TVS nascera atrás somente da Globo por conta da popularidade de Silvio Santos. Não se tem conhecimento de outra empresa no Brasil (quiçá no mundo) em que o dono é associado de maneira direta à empresa ou vice-versa. SBT é sinônimo de Silvio Santos, assim como Silvio Santos é sinônimo de SBT. E isso sempre vai existir, embora a emissora já não seja mais tão dependente de Silvio.

A briga pela vice

Não tem sido fácil enfrentar a Record, especialmente quando esta começou a investir de forma maciça na produção de telenovelas, com montantes intermináveis de dinheiro. Edir Macedo gastou bilhões de reais para tirar a vice-liderança do SBT e com muito custo, conseguiu alcançá-la. No entanto, Silvio já consegue brigar novamente sem gastar tanto, colocando do bolso cifras bem mais modestas.

Pelo andar da carruagem, não existirá um segundo lugar mais tão bem definido como aconteceu com o SBT por mais de duas décadas. A briga vai continuar perdurando e é natural que isso aconteça.


O SBT só conseguiu se manter e passar por todas as últimas crises pelo carisma de seu dono. Porque houve tempos em que a grade de programação esteve vergonhosa e o investimento em conteúdo estava quase nulo. Mas ainda assim, não ficou a uma distância “insuperável” da Record, e hoje já briga com mais igualdade que há seis anos pela vice.

"Vitória"

No último artigo, em nenhum momento disse que a novela “Vitória”, da Record, é ruim. Apenas que não entraria no mérito da questão em ela ser boa ou não, até porque, ela realmente é.

Atraso

O “Tá na Tela”, de Luiz Bacci, continua lembrando, e muito, programas do final da década de 90 e começo dos anos 2000. Assuntos trazidos do arco da velha sem a menor relevância sendo tratados como suprassumo do momento. O frisson da estreia já passou, e hoje já vem dando uma audiência similar ao que o “Sabe ou Não Sabe” registrava.

Relâmpago

A Globo exibe na próxima “Tela Quente” o longa-metragem “Getúlio”, que saiu do cinema há pouco mais de um ano. Um dia depois, fará exatos 60 anos da morte de Getúlio Vargas. Filme com pouco apelo na televisão aberta.

Curiosidade

“Boogie Oogie” exibe sua abertura antes do primeiro bloco, como “Malhação”. Apenas a título de curiosidade...
 

Contatos do colunista: thiagoforato@natelinha.com.br / Twitter: @Forato_

Mais Notícias