Reportar erro
Colunas

Ratinho comemora 15 anos de SBT seguindo os passos de Silvio Santos

bbf89ceb1e3dfbf6306d2d85c4dbf512.jpg
Divulgação/SBT
Redação NT

Publicado em 12/09/2013 às 14:51:07

Gugu e Celso Portiolli, entre outros nomes menos lembrados, como o do ex-apresentador Mauro Zuckerman, já foram destacados ao longo das últimas décadas como os potenciais sucessores de Silvio Santos. Identificou-se neles o estilo de apresentação próximo ao de Silvio e, no caso de Celso Portiolli, também a semelhança física.
 
Mas, enquanto isso, por trás das câmeras, no mundo dos negócios, quem mais parecia se aproximar de Silvio Santos era Gugu Liberato. Bem sucedido no licenciamento de brinquedos, abriu um parque de diversões, uma rede de lojas de produtos populares e, assim como o Patrão, gravou discos com marchinhas e outras músicas infantis e montou sua própria produtora de televisão, que sonhava transformar em sua própria emissora de TV.
 
Silenciosamente, porém, outro apresentador do SBT seguiu os passos de Silvio, talvez indo além de Gugu: Ratinho.
 
Na semana em que completou 15 anos de seu programa no canal, Ratinho pôde festejar no especial levado ao ar na última segunda-feira (09) não apenas o seu sucesso como apresentador, mas o seu triunfo como homem de negócios. Ratinho, assim como Senor Abravanel, construiu um grupo empresarial, com atuação em variados ramos, de bebidas até turismo, de fazendas a formação de jogadores de futebol. Além disso, formou sua própria rede de televisão, afiliada ao SBT no Paraná.
 

 
Da mesma forma que Silvio, Ratinho anuncia suas próprias empresas no programa. E o apresentador é sócio da emissora no horário, arcando com os custos da atração, como o Patrão fazia nos tempos em que se apresentava na Rede Globo.
 
Ratinho não segue a linha do Homem do Baú como artista mas, como empresário acompanha fielmente a cartilha que fez de Silvio Santos um homem bem sucedido.
 
A volta do Aqui Agora

 
O comunicado veiculado durante os intervalos do SBT anunciando a volta do jornalístico "Aqui Agora" e o cancelamento da reprise de "Carrossel" permite uma interpretação preocupante de que há alguma crise interna nos bastidores da emissora ou, se não há ainda uma crise, está prestes a estourar alguma bolha.
 
Quanto ao "Aqui Agora", não há como se prever nada ainda.
 
Seja como for, apesar de "Carrossel" estar dando boa audiência no horário e sua reprise ser interessante comercialmente, possibilitando a continuação da vendagem dos produtos licenciados que ainda existem nas lojas, a decisão de reprisá-la foi precipitada. É doloroso reconhecer o erro e retirar a atração do ar dando satisfações ao público, mas é melhor fazê-lo enquanto a trama ainda estava no começo.
 
Além disso, libera-se um horário que estaria comprometido por pelo menos um ano, e que era crucial na briga pela vice-liderança com a Record.
 
O público, espera-se, haverá de perdoar essa pisada de bola e prestigiará a reprise quando ela acontecer. Os bons índices de "Rebelde" mostram que cozinhar um pouco mais a reexibição pode dar um bom resultado.


Hamilton Kenji é titular dos blogs obaudosilvio.blogspot.com, letrasdotrem.blogspot.com e transcendentes.blogspot.com
 

Mais Notícias