Olhar TV: Um canal dedicado às crianças

Divulgação/SBT

Publicado em 10/04/2013 às 16:47:52

Por: Taty Bruzzi

Fundado em agosto de 1981, o SBT é uma das poucas emissoras abertas que pode ser considerada dedicada às crianças. Isso porque os “pimpolhos” são beneficiados pela grade do canal do “tio Silvio” desde seu lançamento.

No ano de sua estreia, estreava também o programa do Bozo, um dos palhaços mais conhecidos da nossa telinha. A atração, que permaneceu no ar por dez anos, contava com a participação da Vovó Mafalda, que o ajudava a arrancar o sorriso das crianças, além da exibição de desenhos animados.

Pegando carona no formato do "Clube da Criança" (1983) e do "Xou da Xuxa" (1986), ambos apresentados pela Rainha dos Baixinhos na Manchete e Globo, respectivamente, o SBT resolveu investir em jovens para estar à frente de atrações do mesmo gênero.

Assim, a década de 90 na emissora ficou marcada pela demanda de apresentadoras de programas infantis. Entre elas, Simony, Angélica, Mara Maravilha, Jaqueline Petkovic e Eliana.

Em 1984 começava o casamento do SBT com "Chaves" e "Chapolin", seriados de grande sucesso no méxico e aqui no Brasil. As produções já tiveram idas e vindas na grade, e costuma ser a arma do “dono do Baú” quando o Ibope está em baixa. E, diga-se de passagem, dá certo!    
 
Parcerias com a terrinha do “Tio San”

Um dos pontos altos do SBT foram as parcerias com estúdios norte-americanos, como Wal Disney Pictures, Universal Pictures, 20th Century Fox, MGM, Nicklodeon Movies, Paramount Pictures e atualmente com a Warner Bros., garantindo a exibição de enlatados e desenhos norte-americanos.

Dos mistérios protagonizados por Scooby Doo e sua turma, até as armações do Mickey e da galera do X-men, sem nos esquecer das séries "Três é Demais"; "Eu, a Patroa e as Crianças" e "As Visões da Raven".
 
Novela é coisa de gente... pequena
 
Teledramaturgia nunca foi o produto mais forte da emissora paulista, que entre as produções assinadas por ela destacamos "Brasileiros e Brasileiras" (1990), "Éramos Seis" (1994), "Os Ossos do Barão" (1997) e "Pérola Negra" (1998).

No entanto, o SBT ganhou o telespectador exibindo produções mexicanas de grande sucesso lá fora. Além dos folhetins adultos "Maria do Bairro" (1995), "Esmeralda" (1997 e "A Usurpadora" (1998), Silvio Santos conquistou as crianças com a exibição de "Chispita" (1982), "Carrossel" (1989) e Chiquititas (1997). Esta última, uma versão brasileira feita em parceria com a rede Argentina Telefé, considerada uma das mais longas exibidas por aqui, totalizando cinco temporadas.

Hoje, além do retorno do Bozo, 22 anos depois, que surgiu com formato e intérpretes novos, mas mantendo a essência do passado, temos o remake de "Carrossel", assinado por Íris Abarvanel.

A novelinha que virou mania nacional em breve se despedirá dando lugar a outro remake, também dedicado ao público infantil. "Chiquititas" vem aí, e desta vez com produção totalmente brasileira, para comprovar que Silvio Santos gosta mesmo de apostar todas as suas fichas nas crianças. E alguém acha que ele está errado?

 

Tatiana Bruzzi é colunista do NaTelinha e editora dos blogs:

www.blogespetaculosas.blogspot.com

www.eueumesmaemeusfilmes.blogspot.com
 



COMENTÁRIOS