11/02/2017 às 08:14:13 atualizada às 13:17:22

Quatro desenhos japoneses que você deve não se lembrar que passou na Globo

"Listas NT"

Por Gabriel Vaquer
Compartilhe »
  
Quatro desenhos japoneses que você deve não se lembrar que passou na Globo "Flint", uma mistura maluca de "Dragon Ball Z" com "Pokémon"
publicidade
Há exatos 15 anos, a TV brasileira vivia o auge da animação japonesa. Contando todas as emissoras, eram mais de 30 desenhos, entre TVs abertas e fechadas. No sinal gratuito, cerca de 10 animes eram exibidos diariamente. 
 
Por conta da sede dos canais pelos números de Ibope que o segmento trazia na época, a Globo comprou vários títulos e exibiu muitos deles na TV Globinho. Mas alguns passaram tão rapidamente, e de forma tão despercebida, que você certamente sequer se lembra. 
 
O NaTelinha, aproveitando os 15 anos do auge do anime na TV aberta, relembra quatro desses desenhos. Confira:
 
1- "Shaman King" (2003) 
 
Popular entre os fãs de animação japonesa, "Shaman King" teve uma vida longa na TV, mas não na aberta. Chegou em 2002 na extinta Fox Kids e ficou até 2006, quando o canal já se chamava Jetix, e sempre em horário nobre. 
 
Na TV aberta, a passagem foi à jato, dentro da "TV Globinho", em 2003. Mesmo sendo curto, com apenas 64 episódios, a trama mais sombria, envolvendo espíritos e demônios, assustou a emissora. 
 
Recentemente, uma chamada para a estreia da animação viralizou entre os fãs no YouTube. E é o único registro que se tem dele na Globo.

2- "Flint" (2002) 
 
Uma mistura maluca de "Dragon Ball Z" com "Pokémon". É assim que "Flint" é definido por críticos e fãs como um dos piores animes já feitos na história. 
 
Os motivos são claros: a animação capenga e o roteiro nada original. "Flint" tem uma imagem e um traço envelhecido, que dá a impressão de ter sido feito nas coxas. 
 
Além disso, a trama xerocada não chamou a atenção do espectador. Ele chegou no Brasil pela Fox Kids em 2001 e no início de 2002, teve alguns episódios exibidos na Globo. Mas alguns mesmo - apenas oito, e na "TV Globinho" de sábado. 
 
3 - "Megaman NT Warrior" (2004 e 2008)
 
Você certamente se lembra do clássico "Megaman", jogo de video game que teve uma animação que virou um clássico no SBT no fim dos anos 90, por conta da abertura grudenta - se recorda do "É a ferro e fogo... Megaman..."? Aquele mesmo...
 
Em 2003, o Japão teve a ideia de faturar novamente com a franquia e produziu um novo desenho. Com um ideal futurista, imaginando que a intenet estaria em todos os cantos, "Megaman NT Warrior" era ousado demais para a época que foi produzido. 
 
Chegou no Brasil pelo Jetix em 2004 e, no mesmo ano, foi para a Globo, mas de forma rápida. Mais surpreendente ainda foi sua volta ao ar, em 2008, quando até a TV a cabo havia esquecido dele, mas também durou pouco. 
 
No fim das contas, "Megaman NT Warrior" não fez jus à franquia e muito menos marcou como a versão dos anos 90 que virou um clássico. Passou batido. 

4- "Power Stone" (2002) 
 
De todos desta lista, "Power Stone" foi o que mais deu dor de cabeça para a Globo. Talvez, a animação que mais trouxe problemas para a emissora em sua história.
 
Comprado em 2001 junto a Imagine Action - distribuidora do clássico "Digimon" -, o anime tinha cenas de lutas e algumas piadas mais adultas, mas nada muito diferente do que o público já havia visto em clássicos como "Os Cavaleiros do Zodíaco" e "Dragon Ball Z", por exemplo. 
 
Mas ao avaliar o desenho para classificação, o Ministério da Justiça barrou sua exibição por dois motivos: cenas de nudez e personagens de sexualidade indefinida - Kikonojo, amigo da ninja Ayame, uma das protagonistas do desenho. 
 
Depois de cortes, redublagem e negociações, a liberação veio em 2002, mas após tantos problemas, "Power Stone" foi ao ar por apenas uma semana e meia. 

publicidade
publicidade

VEJA TAMBÉM


Comentários

* Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!


publicidade