"Belaventura" faz estreia correta, mas escorrega em alguns pontos

Novela estreou nesta terça (25) na RecordTV

Reprodução/RecordTV

Publicado em 26/07/2017 às 09:37:15

Por: Diogo Cavalcante

Belaventura” finalmente estreou na RecordTV nesta terça-feira (25). A trama medieval de Gustavo Reiz não fez feio em seu capítulo inicial, apesar do prólogo um tanto confuso ao grande público.

Antes de tudo, é conveniente evitar comparações com “Game of Thrones”, série de sucesso da HBO. Não seria justo medir pela mesma régua produções com focos e de formatos distintos.

Raramente vista na TV aberta, a época medieval teve um aspecto um tanto fantasioso ou “kitsch”. Talvez por sua baixa frequência na televisão, a história fique confusa em alguns momentos. A primeira fase, explicando – sem ser didática – a origem da rivalidade entre as “casas” familiares de Redenção e Valedo, assim como o amor dos protagonistas, nascido ainda na infância, teve alguns momentos que o telespectador ficou sem compreender direito.

O melhor personagem, com certeza, é o misterioso Bartolion (Paulo Gorgulho). Um tipo a la “mestre dos magos”. Mau? Bom? Hipócrita? Louco? Ou nem lá nem cá? Isso, só os próximos capítulos poderão responder. A história sofrida de Lucy (Larissa Maciel) apresentou um ponto bastante interessante. E a vilã Marión, interpretada por Helena Fernandes, saiu-se com bom destaque - dependendo da condução, pode ser a melhor personagem da atriz desde a cômica Ipanema de “A Diarista”, da TV Globo.


publicidade

Escorregada

Além do já mencionado prólogo razoavelmente confuso, o ponto negativo fica para Kadu Moliterno como o rei Otoniel. O ator por diversos momentos manteve as mesmas expressões e optava por declamar o texto, em vez de interpretá-lo. Pela importância do papel, poderia ter ido para outro ator.

Floriano Peixoto, por exemplo, estava correto como conde Severo, o “personagem correspondente” da casa rival. Os mocinhos da história, interpretados por Rayanne Morais e Bernardo Velasco, pouco mostraram - também pudera, ante as poucas cenas.

Dependendo da condução, “Belaventura” pode ser uma alternativa válida, tal qual “Escrava Mãe” (2016), do mesmo autor. A estreia foi correta e a história vale a vista.


Diogo Cavalcante é formando em jornalismo. Amante de televisão e apaixonado por novelas, fala sobre o assunto desde 2013. É um dos maiores especialistas sobre Classificação Indicativa na internet.



publicidade

LEIA MAIS

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!


publicidade