Relembre outros cenários do "Jornal Nacional" ao longo de mais de 45 anos

Foto/montagem: NaTelinha

Publicado em 23/06/2017 às 08:00:48 , atualizado em 26/06/2017 às 16:03:24

Por: Diogo Cavalcante

* Fotos/Acervo Globo

Na última segunda-feira (19), o “Jornal Nacional” estreou novo cenário. O ambiente, extremamente tecnológico e cheio de recursos gráficos de encher os olhos, foi bem recebido, apesar de não oferecer nenhuma grande mudança editorial.

A coluna aproveita o momento para relembrar a evolução dos cenários daquele que é o telejornal mais assistido do país, desde sua criação, em 1969 (foto/abaixo).

Durante os primeiros dez anos, o "JN" não tinha grandes recursos cenográficos. Um modelo seguido praticamente por todas as emissoras naqueles tempos. O primeiro cenário de todos era apenas um fundo branco com várias marcas do noticiário e da emissora, além de uma mesa para o locutor. Depois, veio o clássico fundo azul, que era o estúdio de praticamente todos os jornais nos anos 70, a diferença se dava apenas pelo logotipo inserido na parte superior esquerda.

E assim foi até 1979, quando veio o primeiro cenário exclusivo, com quatro televisores nas laterais e um grande “JN” no meio. Em 1981, surgiu o segundo, com um grande mapa-múndi ao fundo e uma bancada sutilmente mais larga.

No ano de 1983 (foto/acima), foi implantado um cenário mais elaborado. A bancada ficou mais larga e ao fundo, quadros com frames da vinheta, que podiam servir para encaixar os chamados “selos”, conforme a conveniência das notícias apresentadas. Se chama de selo aquela arte que fica ao fundo, ilustrando uma notícia. Pode ser com a foto de uma personalidade ou com algum desenho genérico que identifique tema, por exemplo, remédios para falar de saúde, ou uma arma para falar de crimes.

Veja galeria com fotos inéditas na internet

Renovação

Em 1989, com projeto de Delfim Fujiwara - então diretor de artes da Central Globo de Jornalismo - veio um projeto mais ousado, que seria mantido por anos. O cenário era um fundo azul com várias marcas do “JN” dispostos no fundo, como uma extensão da vinheta do telejornal. A bancada lembrava uma nave espacial, com as extremidades ovais e um risco vermelho no meio. A partir daí, também, os “selos” passaram a ganhar mais espaço.

Em 1º de abril de 1996, veio a primeira variação deste cenário. Com as reformulações no jornalismo da casa, bem como a troca de apresentadores - saía Cid Moreira e Sérgio Chapelin e entravam William Bonner e Lílian Witte Fibe - a bancada foi remodelada. O fundo, bem como as marcas do “JN”, ficaram mais claros e em tons mais vivos. No teto, um enorme “JN” de acrílico ficava, de fato, em cima dos apresentadores.

No ano seguinte, em 1997, a segunda variação retirou a claridade do cenário. A bancada foi novamente reformulada, com as extremidades ficando redondas. E na abertura do noticiário, estúdio e vinheta passaram a se integrar. Um dos “JN”s que o globo terrestre da vinheta “disparava”, vinha na tela e abria espaço para a aparição dos apresentadores.

Redação

Em 26 de abril de 2000, outro projeto mais arrojado, sob a batuta de Alexandre Arrabal. O “Jornal Nacional” deixava de ser feito em estúdio para entrar na moda das redações - o “Jornal da Globo” já tinha feito a migração em 1999. A apresentação passava a ser feita do clássico mezanino, que permitia uma vista aérea da redação, com um mapa-múndi fatiado na parte superior, além de dois “JN” de acrílico suspensos nas laterais.

Este cenário sofreu uma variação com o tempo. Em 2002, a bancada foi trocada. Foram substituídos os acrílicos que “protegiam” os computadores e decoravam o meio da mesa por um material cinza e um acrílico verde-água, respectivamente. Também foram suavizados os quadradinhos que ficavam ao lado dos televisores ao fundo da redação.

40 anos de JN e 50 anos de Globo

Para a comemoração dos 40 anos do jornal, quase tudo foi reformado. O mapa-múndi deixou de ser fatiado para virar uma projeção. A bancada ficou “ergométrica” e com menos detalhes, mas mantendo uma luz azul. E no fundo da redação, foi implantado um telão, sendo possível aplicar ilustrações naquele local, além das laterais do estúdio. O JN ficou quase três meses sendo gerado num chroma-key, até a estreia da novidade, em 31 de agosto de 2009.

Dois dias depois da comemoração dos 50 anos da Globo, em 27 de abril de 2015, o JN mudou novamente de cenário. A bancada ficou enxuta, um telão foi instalado na lateral do estúdio do mezanino para os apresentadores interagirem com repórteres e apresentadores da previsão do tempo. Os selos passaram a ser exibidos, de vez, no fundo da redação, graças a um enorme telão instalado. E saíram de cena o mapa-múndi e os “JN” de acrílico, aposentados.

Cenários especiais

Nesses 47 anos de "JN", por três vezes o telejornal ganhou estúdios especiais. Talvez o primeiro momento desses foi em outubro de 2002, quando o então candidato à presidência da república, Lula (PT)(foto/acima/Reprodução), ganhou as eleições daquele ano, levando William Bonner a apresentar parte do noticiário da redação de São Paulo, no mesmo local que abrigava o "Jornal Hoje" e o "Jornal da Globo", com as devidas adaptações.

Em 2010, o cenário do "DFTV", jornal local da Globo Brasília, também sofreu adaptações para Bonner realizar uma entrevista com a então presidente eleita, Dilma Rousseff (PT). O estúdio do DF seria aproveitado para o "JN" novamente em 2014, em virtude do acidente aéreo que vitimou o presidenciável Eduardo Campos (PSB) - a equipe do programa estava na capital federal para entrevistar Dilma, candidata à reeleição, e diante da morte de Eduardo e da falta de tempo para voltar ao RJ, o "Jornal Nacional" foi gerado de lá mesmo, com participação de Heraldo Pereira no Rio de Janeiro.

Por fim, em 2016, o "JN" passou um período sendo apresentado da central olímpica da Globo, em virtude dos Jogos Olímpicos do Rio.

Fica aqui o agradecimento ao Acervo da Globo pela cessão de grande parte das imagens.

Diogo Cavalcante é formando em jornalismo. Amante de televisão e apaixonado por novelas, fala sobre o assunto desde 2013. É um dos maiores especialistas sobre Classificação Indicativa na internet.



publicidade

LEIA MAIS

publicidade

COMENTÁRIOS

Fechar X