TV brasileira anda fechando as portas para profissionais veteranos

Divulgação

Publicado em 14/06/2017 às 10:35:26

Por: Sandro Nascimento

O talento tem data de validade? Baseando-se nas recentes atitudes de emissoras de televisão, concluímos que para o setor a resposta seria positiva. Na mesma semana, o jornalista Hermano Henning (81) do SBT e veteranos humoristas da TV Globo, que atuavam do elenco do programa "Zorra", foram dispensados dos seus respectivos canais.

Num momento em que se discute em diversos setores da sociedade a polêmica reforma da previdência, onde o brasileiro terá que trabalhar por mais tempo, temos que refletir e formular uma nova pergunta: onde irão trabalhar?

A percepção é que as portas da TV estão cada vez mais fechadas para os artistas e profissionais que perderam a beleza da juventude, mas que, em contrapartida, ganham experiência e os cabelos brancos. Entretanto, a televisão apenas reflete a realidade profissional de uma sociedade que vivemos.

Hoje, nos telejornais, tem lugar garantido para as belas moças do tempo, lindas apresentadoras, galã repórter no "Jornal Nacional" e até espaço para uma excentricidade aposta de Silvio Santos: Dudu Camargo. Não quero dizer que eles não possuem os atributos necessários para exercer suas funções ou que não devemos renovar e dar oportunidades, mas reflito se eles estão ali também por serem jovens, um atributo que tem prazo de validade.

Mas em nome da renovação, ou tendo ela como desculpa, Léo Batista ficou de fora das Olimpíadas Rio 2016, Agildo Ribeiro faz escada no humor e Renato Aragão só tem serventia para uma pequena participação no "Criança Esperança".

Até Chico Anysio sofreu com o prazo de validade da TV. Em 2015, Malga Di Paula, a viúva do artista, descreveu nas redes sociais a tristeza do mestre do humor nos últimos dez anos da sua vida.

"Professor Raimundo, personagem preferido de Chico Anysio. Sua 'Escolinha' ficou no ar por décadas e, para seu desgosto, foi retirada do ar três meses antes de completar 50 anos. Durante 10 anos antes de sua partida, Chico praticamente 'implorou' para o programa voltar. Ele nunca mais teve a oportunidade de interpretar o personagem que mais amava. A desculpa era que ‘aquele humor era velho'. Chico nunca concordou com isso, e a prova de que ele estava certo está aí: a 'Escolinha' voltou", disse.

Todavia, Marcelo Adnet, desde que saiu da MTV em 2013, até hoje não emplacou nenhum projeto de sucesso na Globo, mas representa o novo humor e não lhe falta oportunidades na emissora.

Mas nem tudo está perdido. Existem exemplos na TV que devem ser acompanhados.

A campeã de audiência "A Praça é Nossa", de Carlos Alberto de Nóbrega, consegue mesclar veteranos talentos e abrir a oportunidade para jovens humoristas; a RedeTV! abriu espaço para Silvio Luiz apresentar o quadro de esporte no "RedeTV! News" além de narrar os jogos da Série B; Celso Freitas apresenta o principal telejornal da RecordTV; e Joseval Peixoto comanda o noticiário do SBT.

Não creditando a ele a responsabilidade das demissões, Marcius Melhem, atual diretor do novo "Zorra" na Globo, precisa ficar atento. A história ensina.

Daqui a 20 anos, hoje o seu prestigiado humor pode ganhar o rótulo de ultrapassado e ter o mesmo destino do humorista José Santa Cruz e tantos outros, a privação de ganhar os aplausos do público e se sustentar com o talento. Uma das poucas certezas na vida é que a idade chega para todos.



publicidade

TAGS:

LEIA MAIS

publicidade

COMENTÁRIOS

Fechar X